-->

Páginas

30 julho 2009

Trombas

Ontem, lá à porta da capela, uma das pessoas que eu reencontrei foi um tipo com quem apenas partilhei turma durante dois anos. Um tipo estranho, depressivo, obsessivo, completamente fora desta dimensão. Estava acompanhado da namorada: mais estranha ainda, desinteressante, brega. E antipática - que foi o que me levou a escrever este post. Sempre de trombas, como se estivesse a fazer o maior frete do mundo. Talvez estivesse, mas isso não lhe dá o direito de pôr cara de quem todos lhe devem e ninguém lhe paga e de ser desagradável. Só se estraga uma casa, é o que vale.

3 comentários:

  1. Há pessoas que parece que todos lhe devem e ninguém lhes paga.

    ResponderEliminar
  2. Bem, ninguém quer ir a velórios, pois claro. Mas há algo nesta atitude de tenho-mais-direito-a-existir-do-que-todos-os-outros-e-se-agora-não-me-apetece-vais-ter-de-levar-comigo-contrariada que me irrita tanto. É que não há respeito, raios partam!

    ResponderEliminar
  3. :) "Sò se estraga uma casa". Eu sou fã desse "ditado".

    ResponderEliminar

Obrigada!