-->

Páginas

04 agosto 2009

Livros - III

170 páginas volvidas d'"Os Pássaros Sem Asas", já consigo ter uma percepção mais apurada da coisa. É genial, pronto. Bem escrito, muito bem traduzido, escorreito, rápido, ritmado. Uma história cheia de curvas e contra-curvas, bem orquestradas. Personagens alegóricas, que nos nascem à frente dos olhos conforme vamos lendo. Não é toda a gente que tem a capacidade de dar vida às personagens, mas este autor é mestre! Estou a adorar! Tenho o verão feito e gosto!

Nota: eu tendo a dizer muito bem dos livros que leio. Para já, porque só leio mesmo o que me interessa; depois porque, antes de começar a ler, investigo, procuro saber o máximo possível sobre o livro e sobre o autor. Nunca compro nada apenas porque ouvi falar ou porque me sugeriram ou porque alguém achou que aquilo seria mesmo a minha cara (aconteceu mais do que uma vez oferecerem-me livros completamente ao lado: Maria João Lopo de Carvalho, Tiago Rebelo e Margarida Rebelo Pinto não são nada a minha onda, por exemplo). Por isso, dificilmente haverá um livro que eu comece a ler e que não acabe ou de que não goste no final (mas já aconteceu e não vai há muito tempo... e foi uma frustração enorme, porque ainda por cima foi daqueles livros que eu "descobri" e de que nunca ninguém me tinha falado).

1 comentário:

  1. Detesto que me ofereçam livros. Como sou tradutora custa-me ler coisas que não sejam na língua original, porque acabo sempre por me concentrar menos na história do que na tradução (muitas vezes mal) feita. Como há línguas que a minha sapiência não abarca, lá tenho de me resignar, mas depois é raro não ficar desiludida com o cliché ou com um final idiota.

    ResponderEliminar

Obrigada!