-->

Páginas

29 setembro 2009

"Arrotar de fartura"*

*Expressão tipicamente alentejana que significa reclamar de barriga cheia (que é outra expressão alentejana que significa... bom, adiante, já percebem a ideia).

Engravidei. Engordei 8kg. Perdi 6kg. Engordei 6kg. Andei meses a lutar com eles. Perdi 5,5kg. Tenho 3kg para perder. Estou mais magra do que estava na altura em que estava mais gorda sem estar grávida. Sinto-me bem (mas, já se sabe, mulher nenhuma é magra o suficiente, gira o suficiente, culta o suficiente, etc.). Ninguém diz que eu tenho uma filha e que passei por uma gravidez porque não fiquei com "marcas" nenhumas disso. Mas eu queixo-me. Acho que estou gorda, que já estive melhor. Pois já: quando tinha vinte e poucos anos e passava a vida a mexer-me de um lado para o outro. Mas a vida mudou e, tendo em conta a conjuntura, sei que estou bem.

Mas queixo-me. E depois ouço uma amiga dizer-me que estou maravilhosa, mesmo depois de uma gravidez e relativizo. De facto, há quem engorde bem mais e quem tenha bastante mais dificuldade em voltar ao sítio do que eu tive. Mas eu queixo-me. E esqueço-me que isto não é problema nenhum e que mais valia estar caladinha.

3 comentários:

  1. Marianne, somos sempre assim. Se um dia tivessemos um poço de desejos e conseguissemos ter tudo o que sempre quisemos, no fim, íamos estar insatisfeitos à mesma: ou íamos querer mais ou íamos querer voltar a ser como antes :)

    Pelas fotos que tens posto aqui, ninguém diria MESMO que já tiveste uma filha :)

    ResponderEliminar
  2. Acontece a todas... Mas reconhecer que nos queixamos de barriga cheia é meio caminho andado para a redenção. São as nossas mágoas e os nossos sentimentos, por isso temos que os viver.

    ResponderEliminar

Obrigada!