-->

Páginas

17 novembro 2009

Coisas que não percebo

Pessoas que dizem mal de pessoas apenas e só com base naquilo que leram nos blogs.
Pessoas que não gostam de pessoas apenas e só com base naquilo que as ditas pessoas escrevem nos blogs.

Os blogs são a parte. Nunca serão o todo. E, como em muita coisa da vida, dá para controlar o que se diz, como se diz, a quem se diz. Portanto, pode ser-se quem não se é. E quem não gosta de pessoas apenas com base naquilo que lê em blogs corre o risco de estar a cometer uma injustiça e a ser, vá, parvo. Porque ninguém é apenas e só o que escreve num blog.

Adenda: não é nada comigo, não se passa nada aqui por estes lados. É apenas uma consideração geral. Poderia ter sido algo sobre o tempo, a Popota ou o Prós e Contras de ontem, mas deu-me para aqui.

8 comentários:

  1. Não podia concordar mais contigo, penso da mesma forma, e o mesmo se pode aplicar no nosso dia a dia, com as pessoas com quem nos cruzamos, com quem lidamos no nosso dia a dia, por vezes as pessoas estabelecem distâncias para sua própria defesa, são esquivas talvez para não sofrerem, usam determinado estilo de roupa e vivem um estilo de vida, mas elas lá sabem porquê. Nada como conhecer e nunca julgar mesmo conhecendo.

    Let it be.

    bj

    Pat

    ResponderEliminar
  2. Tantas vezes que já tive essa guerra no meu blog...

    Não te stresses com isso que só faz cabelos brancos ;)

    ResponderEliminar
  3. Sim, não se pode julgar nada por aquilo que se lê num blog. Mas neste caso acho que isso é pedir um pouco demais. Todos nós temos, uns mais outros menos, o instinto, a mania, de julgar a partir da informação disponível. De outra meneira não podia ser. E portanto, acho que se conhecemos apenas uma faceta de uma pessoa, é um bocado impossível julgá-la por partes suas que não conhecemos.

    Claro que o ideal seria não julgar de todo, mas isso é muito difícil. O melhor que se pode fazer (e o que tento fazer e todos devíamos fazer, e não me parece assim tão extraordinário) é chegar à conclusão de que se não se goosta, deixou de ser alguma coisa connosco. Na 'vida real' pode não ser assim tão simples, mas a parte boa da internet é que há um botãozinho fantástico ali no canto superior direito que nos dá a oportunidade de apagar a página. Ou então o bom, velho Ctrl+Alt+Delete. Escusamos de apregoar aos 4 ventos EU NÃO GOSTO DE FULANO TAL PORQUE ESCREVEU UM POST QUE ME OFENDEU. Quer dizer. Afinal somos pessoas civilizadas ou não?

    ResponderEliminar
  4. Essas coisas transcendem-me...e preocupam-me bastante!

    ResponderEliminar
  5. "Pode alguém ser quem não é?"... Acho que, muitas vezes, todos somos (nem que só um bocadinho) aquilo que não somos na realidade... O mundo seria bem melhor se assim não fosse! A realidade é que na internet há "eu(s)" virtuais, que são uma ínfima parte do que são as pessoas que existem e/ou se "escondem" por trás. O ideal no mundo real e virtual é ninguém julgar ninguém e ficar com os seus juízos de valor e os seus (pre)conceitos para si próprio. Aqui, quem não gosta e não se identifica, que deixe de ler... Beijo Ana

    ResponderEliminar

Obrigada!