-->

Páginas

03 dezembro 2009

Seda

Toda a gente sabe: quando se passa a ser mãe (ou pai), as saídas reduzem-se drasticamente. E eu não sou daquelas mães obcecadas que só estão bem a menos de meio metro dos filhos, sempre, twenty-four-seven. Eu costumo dizer que eu e a minha filha não somos siamesas, portanto estamos bem se não estivermos juntas - mas obviamente estamos muito melhor juntas.

Ora eu era uma miúda que saía imenso. E por "imenso" entenda-se pelo menos uma ou duas vezes por semana. E ia a todo o lado e mais algum. E ia para onde me desse na telha, sem pensar muito no assunto, ao sabor da maré. E voltava para casa quando bem me apetecesse. Mas.

Uma pessoa avança e pronto. As saídas passam a ser alvo de briefing, de programação intensa e ginásticas complicadas. Porque o marido tem que ficar com a filha - e depois trocamos e vai ele sair e fico eu com ela, que a democracia também é isto. Acontece que o meu marido não é - nem nunca foi - homem de saídas nocturnas. Ao contrário de mim, que sou claramente arraçada de morcego.

Ontem houve uma festa num clube XPTO. Nunca lá tinha ido, não andava mortinha para ir, mas como surgiu a oportunidade fui. Ao Silk - que vocês, gente culta e actualizada, com certeza conhecem de ginjeira. Adorei, claro. Para já tem aquela vista completamente avassaladora sobre Lisboa. Depois tem uma decoração fantástica. Depois aquilo ontem era só gente gira. Depois o meu best friend fez daquilo uma festa como deve ser. E lá andava ele, alegre - que é como quem diz, loaded - a saltitar de convidado em convidado. Eu, montada nos meus sapatos-de-estar-quieta, ali estive com a minha Ana, a dar o mínimo de passos possível, sob pena de me espatifar lá do alto - coisa linda de se ver. Mas fui e não fui mascarada de mãe enclausurada. Porque, apesar da maternidade, que nos melhora imenso, há defeitos que não se perdem. No meu caso, a vaidade é um deles. Eu, que nunca fui bonita, dei nisto de querer estar bem seja lá onde for - vá-se lá perceber...

Mas pronto, isto tudo para dizer que fui ao Silk e adorei. E assim que entrei no carro troquei de sapatos que já não tenho 20 anos e elas não matam mas moem.

(A precisar desesperadamente de mais saídas destas. À razão de uma por mês, vá.)

4 comentários:

  1. Fartei-me de rir com este texto ;)

    E os sapatitos, que já fui espreitar, são um must!

    Bisouxxx

    ResponderEliminar
  2. De facto, é mesmo daqueles lugares que apetece (e convém) irmos no nosso melhor.
    Só lá fui uma vez e adorei! Ando a ver se lá vou mais vezes:)Entrar na guest-list...não é fácil :)
    Bjs

    ResponderEliminar
  3. O que eu te entendo!! Mas sabes que eu qd saio já não me sinto à vontade... é dificil para mim deixar a máscara!! E lamentávelmente não conheço o Silk, sou do norte carago!!! Beijinhos

    ResponderEliminar

Obrigada!