-->

Páginas

27 janeiro 2010

De como a vida nos empurra para a frente

Não vemos, não queremos ver, não queremos acreditar, achamos que ainda pode ser possível. Mas cá dentro há uma voz mais terra-a-terra que diz que não há nada a fazer, é aceitar e seguir em frente.

Quem não me conhece acha que é género, que me faço de forte e me armo em durona. Às vezes gostava que tivessem razão. Mas não têm. Lamento. Eu não sou do género de mostrar uma fachada na rua e os alicerces em casa. Eu sou assim. Não me deixo abater com qualquer coisa. Isto não é "qualquer coisa". Certo. Mas também não é o fim do mundo. Portanto, como sempre na minha vida (para grande frustração de quem me quer mal), é o lema de sempre

O que não me mata torna-me mais forte.

[ Seguindo em frente. Só podia ser assim. ]