-->

Páginas

03 março 2010

Amanhã

Vou tirar uma coisa que tenho num joelho. Chamo-lhe "coisa" porque não sei que coisa é: quisto? Pior do que isso? Não sei.

Quando marquei a cirurgia (plástica, por sinal) o médico (dermatologista que era suposto operar-me) alertou-me para a cicatriz: "vai ficar aqui com uma marquinha...". "Mais uma, doutor. Não faz mal, não me chateia". Como não me chateia a cicatriz de 10cm que tenho no braço direito, resultado de um acidente de carro. Mas não me chateia porque não me lembra nada por aí além. Se esta coisa que tenho no joelho for um tumor, a cicatriz é capaz de me aborrecer um bocado. Isto para dizer o quê? Que a importância que damos às coisas tem apenas e só a ver connosco próprios. E cada um gere isto como sabe, quer e pode.

Outra coisa desta minha petite cirurgia (plástica, já disse?): vai ser a frio. Anestesia local, dizem eles. Yeah, right. Levei uma epidural que não pegou, duas locais que não pegaram (isto quando nasceu a minha filha), no tal acidente tinha levado duas locais que também não pegaram... portanto vai ser a frio. Já sei como é, o que se sente, quanto dói. E não me chateia. É assim, nada a fazer. Portanto, amanhã lá vou eu à faca (adoro esta expressão). Podia sair-me um Dr. Troy na rifa, já agora...