-->

Páginas

21 junho 2010

Das atitudes do sr. presidente da república

Subscrevo, assino por baixo, não podia concordar mais:

"O presidente da República não estará presente nas cerimónias fúnebres de um dos maiores escritores portugueses de sempre. O primeiro português a ganhar o Prémio Nobel da Literatura, um homem que divulgou de forma indelével a língua e a literatura portuguesas.
É uma pena. Uma lástima. Um retrato do país que somos. Primário.

Nota sobre a hipocrisia: Se Aníbal Cavaco Silva não fosse Presidente da República, não tinha de ir ao funeral. Não precisava. Se fosse, aí sim, poder-se-ia falar em hipocrisia. Mas Aníbal Cavaco Silva não é só um cidadão nacional. Não é um homem qualquer. É a mais alta figura do Estado. E, nesse sentido, é impensável que não esteja presente. Esta é a minha opinião. Vale o que vale. Ou seja: nada."


Sónia Morais Santos, in Cocó na Fralda

6 comentários:

  1. Cavaco Silva é presidente de Portugal e dos Portugueses.
    Assim não vejo sentido em estar presente no funeral de uma pessoa que dizia não ser Portuguesa, renegava o seu País e achava que Espanha era a sua terra.

    Sim é verdade que todos achamos que estamos mal e que lá fora se calhar era melhor, mas não andamos para ai a dizer mal do nosso País

    ResponderEliminar
  2. Saramago NUNCA renegou a sua terra, as suas origens, o seu país. Saiu daqui magoado com um sub-secretário de estado que impediu que o seu "Evangelho Segundo Jesus Cristo" fosse candidato ao Prémio Literário Europeu por achar que o livro atentava contra a "herança religiosa dos portugueses". Saramago continuou a pagar impostos em Portugal. Disse, não há muito tempo, numa entrevista qualquer coisa como "eu sou da minha terra, sou do meu país, sou do sítio onde nasci. Os espanhóis o que fizeram foi acolher-me como se fosse um deles".

    Portanto continuo a achar que o Presidente da República do país de Saramago tinha obrigação de ter estado presente no funeral.

    ResponderEliminar
  3. E esta gente insiste em dizer que Saramago renegava Portugal. Se soubessem as razões que o levaram a sair do país não diriam isso.
    Por acaso eu achei que nisso o Cavaco foi coerente (já que não o é em tantas outras coisas) e, no caso dele, não indo ao funeral foi a melhor forma de mostrar algum respeito pelo homem e pela sua família.
    kiss

    ResponderEliminar
  4. Compreendo, mas sinceramente há coisas que me chocam mais.. tipo o nosso 1º ministro tirou a licenciatura a um domingo..lol..

    ResponderEliminar
  5. Uma atitude lastimável, mas do Presidente que temos não esperaria mais.

    ResponderEliminar

Obrigada!