-->

Páginas

23 agosto 2010

Um dos momentos altos das férias

Foi, sem dúvida, o dia em que cheguei a casa e tinha, na caixa do correio, o meu cartão de dadora de medula óssea. E, mais uma vez, bateu aquele desejo inexplicável de "espero um dia poder ajudar alguém!"... Tão bom!

[Mas, para que não se pense que sou uma madre teresa ou projecto de: adorei o momento, também durante as férias, em que aspirei (com um poderosíssimo aspirador, bem entendido) uma mosca que me estava a dar conta dos nervos!]

4 comentários:

  1. Quando te tinhas inscrito? Eu ainda não recebi o meu... não percebo. :(

    Beijinhos

    P.S: Welcome back! :)

    ResponderEliminar
  2. Tive a mesma sensação quando recebi o meu cartão. Mas também fiquei um bocado confusa com os meus sentimentos, porque querer muito ajudar alguém não é querer que alguém esteja doente para poder ser ajudado? Mas depois penso, já que de qualquer maneira há tanta gente doente, sim, quero que pelo menos alguém seja compatível comigo... mas até agora não aconteceu.

    ResponderEliminar
  3. Eu inscrevi-me e fiz os testes, mas só me chegou uma carta a desejar bom Natal. Cartão, nem vê-lo. Quanto tempo demorou?! Será porque as coisas demoram mais tempo a chegar a Beja?!

    ResponderEliminar
  4. Só recebe cartão quem pode ser dador de medula. Há N razões para não se poder ser dador e é por isso que todas as amostras recolhidas são analisadas antes de serem inseridas na base de dados. E se calhar isto do cartão é modernice, se calhar quem se inscreveu há mais tempo não tem cartão, não sei...

    ResponderEliminar

Obrigada!