-->

Páginas

27 setembro 2010

Sobre a Margarida Rebelo Pinto e a polémica crónica sobre as Gordas

Isto é o que tenho a dizer sobre o tema:

"                                                                                                                                                              "

(Nada, absolutamente nada. Porque a mulher é tão tontinha, tão tolinha, tão idiotazinha que não consigo sequer comentar.) (Escrever este post é, já de si, tecer um comentário, pronto).


5 comentários:

  1. pois! andei às voltas com essa questão e ainda hoje falei nisso, mas não me ocorreu nada digno de ser escrito. assim sendo, acho que está tudo escrito.

    ResponderEliminar
  2. provavelmente, devíamos ter pena da senhora. alguma mulher mais pesada do que ela, algumas gramas talvez, deve tê-la feito sofrer ...

    ResponderEliminar
  3. Isto seria realmente preocupante se tivesse vindo de uma escritora a sério, agora desta personagem em nada me afecta. Além de ser escanzelada e ter um nariz que dá para fumar à chuva, pouco ou nada se lhe aproveita, muito menos o talento. Quem leu um livro dela, leu todos, são muito bons para acender uma lareira no Inverno. O mesmo se pode dizer das crónicas, vira o disco e toca o mesmo. Já para não falar do plágio...
    Pelo menos as gordas sabem ser originais e não têm a necessidade de ser a bicicleta da aldeia, como ela pelos vistos e as amigas gostam/gostariam de ter sido, não vivem infelizes por terem que viver de alface para se manterem super magras e quanto mais magras melhor,diz ela citando Wallis Simpson (em Inglês fica tudo mais chique!) desculpando-se do facto de não conseguir engordar. ;) É precisamente por isso que as gordas (o "inhas faz-me impressão, faz-me pensar logo em coitadinhas) podem fazer o que lhes apetece: porque são mulheres de verdade! E é também por isso que os homens as preferem, porque são boas companhias, não vivem carrancudas por causa da falta de alimentos ou porque têm que manter a pose, são amadas e amam muito e sabem cuidar de si próprias e deles! Não vivem para a imagem ou para a futilidade.
    Um conselho à Margaridinha: já tem idade para ter juízo! Arranje um homem, se conseguir e pouse lá a caneta! Deixe isso para os escritores a sério! Já não se aguenta... .

    ResponderEliminar
  4. Ao ler a tão falada cornica de Margarida Rebelo Pinto, chego a conclusão que existe muito mais para alem do ataque ou o suposto ataque as "gordinhas" pois naquele aglomerado de palavras eu apenas retiro raiva por parte da escritora, sendo que deve estar a passar por algo na sua vida privada e achou que gozando do estatuto que tem podia fazer se ouvir,tento a ajuda que de outra forma não conseguia ter. Simplesmente precisa de atenção meus caros e parvo é aquele que dá importância a um devaneio de uma mente traumatizada. Para alem deste ponto, tenho que admitir que foi uma boa jogada da escritora Margarida Rebelo Pinto para manter as luzes da fama na sua direção

    ResponderEliminar

Obrigada!