-->

Páginas

18 novembro 2010

O dia dos 12 anos

O dia dos nossos 12 anos foi especial por isso mesmo. Não houve presentes, nem jantar fora, nem jantar em casa à luz das velas, nem ramos de flores, nem lingeries especiais, nem postais ou algo parecido.
Houve uma pessoa que chegou a casa e ficou triste porque não viu a filha (ficou a dormir na avó), depois houve um jantar normal, como tantos outros, em que a única diferença foi não estarmos a conversar a 3, mas sim a 2. E falámos como falávamos há 12 anos, horas e horas, sobre tudo: política, economia, as séries que andamos a ver, os planos para o fim-de-semana, o dia dela, trivialidades, tudo e mais alguma coisa, no fundo. Deitámo-nos à hora normal e adormecemos como sempre, aninhados um no outro.

É este o conforto incomparável que traz o amor. Não precisamos de fogos de artifício para saber que aquilo é exactamente o que queremos. Não precisamos de virar o mundo do avesso. Só precisamos que o nosso mundo vá girando como sempre, naquele lugar que criámos para ele. E que seja assim por muitos, muitos anos.


12 comentários:

  1. É exactamente assim que penso!
    Muitas felicidades Marianne

    ResponderEliminar
  2. Assim seja, para ti e para mim também! :-)

    ResponderEliminar
  3. isso mesmo ... para sempre! ... :)**

    ResponderEliminar
  4. Bolas...isto é que amor...do verdadeiro...do sincero...O AMOR! Obrigado pela partilha!

    ResponderEliminar
  5. que maravilhoso....que momento tão grandioso esse do amor!

    ResponderEliminar
  6. é exactamente isso que penso. Não é preciso grandes luxos para tornar momentos a dois, momentos únicos!

    ResponderEliminar
  7. poderia ser escrito/pensado por mim. esta é a minha definição de felicidade =)

    ResponderEliminar
  8. Muito bonito, o que escreves-te.
    Parabéns.

    ResponderEliminar

Obrigada!