-->

Páginas

03 janeiro 2011

Equilíbrios

O mundo alinha-se de uma maneira algo estranha. Imaginem um triângulo. Uma face tem uma vida banal, organizada, comum: casa, trabalho, marido, filhos. Outra face tem uma vida banal, organizada, comum: casa, trabalho, namorado, um gato. A terceira face tem uma vida banal, organizada, comum: casa, trabalho, um gato.

A dada altura de uma qualquer curva de evolução, a vida da segunda face muda: coração partido, esperanças desfeitas, nada a que se agarrar, razão nenhuma para sorrir. Pouco tempo depois, a vida da terceira face muda: coração cheio, sorrisos no olhar, suspiros ininterruptos, esperanças renovadas, vontade de sorrir, de projectar um futuro que se quer feliz. A vida da primeira face mantém-se na mesma, sem nada que valha a pena contar.

Porque é que nunca, desde que este triângulo se formou, as três faces estiveram felizes ao mesmo tempo? Não importa.

O que importa é que acreditemos que um dia isso vai acontecer. Um dia, as três faces do triângulo serão sinónimo de felicidade. Há que saber acreditar, há que saber esperar que a vida nos coloque no caminho certo. Isso acontece sempre quando menos se espera. O caminho certo é sempre aquele que se achava impensável. E vale mesmo a pena esperar...


3 comentários:

  1. So I hope... e sim, ainda tenho ao que me agarrar, porque vocês não me deixam cair ;)! Obrigada kidow

    ResponderEliminar
  2. Vale mesmo... Eu não diria tal coisa há uns tempos mas foi preciso acreditar a valer que as coisas boas estavam para chegar. E chegaram mesmo.

    Obrigada por me ajudarem a acreditar!

    ResponderEliminar
  3. Olá Marianne, a certeza que nós poderemos ter é que os equilibrios são sempre caminhos em potência. Um pouco como a felicidade, que se conquista todos os dias!
    Beijinhos,
    Sofia

    ResponderEliminar

Obrigada!