Há coisas que me ultrapassam...

abril 21, 2011

Maneiras que é isto: temos cá hospedados uns senhores estrangeiros. Diz que são do FMI e do FEEF. Parece-me que não vieram cá fazer turismo, embora não haja país na Europa mais dado a esta actividade. E não falo da indústria hoteleira. Falo mesmo de todos nós, que de vez em quando (não sempre) somos muito, muito bons a fazer turismo. Adiante.

Ora diz que os senhores vieram cá para nos endireitar. Porque descambámos, gastámos 1000 quando só ganhávamos 100 e a coisa deu-se. Não há dinheiro. Portanto estes senhores, sabedores e avalizados, vieram cá para nos pôr na ordem.

Temos, contudo, um governo demissionário que se prepara para ir a eleições novamente. Ainda assim, continua em funções. E foi por essa razão - e por ser totalmente irresponsável, estou em crer - que o dito governo decidiu que sim, senhor, havia 20 milhões de euros para queimar num dia de tolerância de ponto. Dia esse que fica encostado a um fim de semana de quatro dias. Parece-me bem (sarcasmo, obviamente).

Ora, não era de mostrarmos aos senhores que cá temos hospedados e que não vieram em turismo que sim, senhor, estamos dispostos a fazer sacrifícios? Que o tempo não está para ofertas e cada dia de trabalho importa? Bom, aparentemente não. É mais importante que a função pública tenha mais um dia de folga. Isso sim, é de valor. Até porque quem paga somos nós todos, incluindo aqueles que já não têm emprego nem o que comer ao fim do mês. Esses - que continuam a pagar impostos - financiam folgas desnecessárias de gente que já de si faz pouco. Mas são muitos e são capazes de ir votar no Sócrates que é o gajo que dá umas folgas de vez em quando. Imbecilidade.


E o mais curioso, quanto a mim, é o PS ter subido 11% nas intenções de voto entre Março e Abril. Está tudo doido?? Eu sei que as alternativas não são grande espingarda, mas daí a dar colo a quem nos afundou... não sei, parece-me estúpido, vá.

Boa Páscoa, gente, boa Páscoa...


You Might Also Like

14 comentários

  1. Também a mim isto deixa estupefacta. Ultimamente tenho tido muita vergonha de dizer que sou portuguesa.

    ResponderEliminar
  2. Não entendo, também. É ridículo, é estúpido e é de gente inconsciente que se está realmente a marimbar para tudo isto. Parece que estamos no meio duma brincadeira infantil de um grupo de parvos que decidiu armar-se em governo de um país.
    Apetece-me começar a distribuir pares de estalos.

    ResponderEliminar
  3. contra mim falo,como sabes...se a barraca estivesse aberta teria ido trabalhar,mas eu dependo das chefias,que ADORAM o cargo que ocupam...mas fiz questão de publicitar a minha opiniao...bj

    ResponderEliminar
  4. Bem, eu não poderia concordar mais. Já hoje passei mais do que a quota devida de tempo a dissertar sobre o assunto lá no meu cantito. E diria mais: Além do sector público, espanta-me a quantidade abissal de "privados" que adoptaram logo, alegremente, a medida do Governo. Eu nem sei o que mais diga.

    ResponderEliminar
  5. Assino por baixo. Reclamamos por cortes e por nao sei quê, mas quando toca a férias/pontes/dias sem fazer nenhum... venham eles! Enquanto esta mentalidade não mudar....

    ResponderEliminar
  6. "financiam folgas desnecessárias de gente que já de si faz pouco" - é preciso ter MUITO cuidado com as generalizações, minha amiga. Este bocado de frase que copiei é de uma injustiça muito, muito grande (e sei-o por experiência própria, vinda de um local onde o Serviço Público é levado muito a sério).

    ResponderEliminar
  7. Nem vale a pena dizer mais nada porque, afinal de contas, ESTÁ TUDO DITO. Vergonhoso, é o que é. Parabéns pelo texto ;)

    ResponderEliminar
  8. Inês concordo com as tuas palavras. As pessoas falam do que não sabem, quando dizem : "financiam folgas desnecessárias de gente que já de si faz pouco". Não podemos generalizar. Nem todos estão a uma secretária no msn, ou a fazer malha. Sabes o que é trabalhar por exemplo num hospital? Sabes o que é trabalhar à noite? Trabalhar nos mínimos e tentar salvar pessoas? Achas que isso não é fazer nada?

    ResponderEliminar
  9. Alguém parou para pensar um bocadinho sobre o que significa uma tolerância de ponto numa tarde de uma quinta-feira quando, se não a houvesse, mesmo assim 90% dos funcionários públicos se calhar iam tirar a tarde ou o dia e os serviços tinham de continuar abertos e a gastar água e luz e tal, precisamente numa altura em que é preciso poupar dinheiro? Eu sim (no meu blogue).
    E foi uma tarde que foi dada, não foi um dia. Quem quis aproveitar-se da manhã foram pessoas, não foi o governo.
    Quanto às intenções de voto, talvez seja porque as pessoas começam a perceber que não foi o governo que afundou ninguém, que eu saiba também fomos afectados por uma crise internacional (bem dizem que a memória é curta...).
    E acho pior decretar um feriado por causa de um casamento real num país que também está com medidas de austeridade fortíssimas.

    ResponderEliminar
  10. Percis Almana, desculpa lá, mas a justificação dada para a tolerância de ponto não teve nada a ver com a água e a luz e tal que se gasta para manter os serviços abertos. O que o governo alegou foi... a tradição. Deu a ponte porque é tradição dar-se a tarde de quinta feira santa.

    E sim, houve uma crise internacional por detrás da nossa. Mas a crise internacional afectou muitos países. Curiosamente, só quatro andam ali pelas portas da bancarrota (Islândia, Grécia, Irlanda e Portugal). Não me parece que a crise internacional justifique o que cá se passa...

    E também não concordo com o feriado por causa do casamento. Mas ao menos lá as medidas adoptadas foram à séria: carros retirados a deputados e tal. Aqui ainda ninguém se lembrou de cortar a sério na despesa pública.

    ResponderEliminar
  11. Ok, tradição. E contra a justificação de que se perde dinheiro, devia haver alguém a alertar para a poupança. Simples. E foi o que fiz.

    E tolerância, como o nome indica, não é obrigação. Logo, o governo deu e só aproveitou quem quis aproveitar. Certo? Foram as pessoas. Se me vieres falar de pessoas que são umas aproveitadoras, e que por cima da tarde ainda tiraram a manhã, concordo totalmente contigo. Acho incrível é falar-se do governo e de medidas populistas e eleitoralistas, quando tudo aquilo que se viu durante anos foram tudo menos medidas populistas e eleitoralistas!
    Eu conheço efectivamente casos de instituições que fecharam completamente - e não foi só 5ª à tarde - para poupar dinheiro. Falei daquilo que sei e resolvi mostrar esse ponto de vista. Acho um abuso o aproveitamento político de uma porcaria de uma ninharia de uma tarde que se não fosse dada as pessoas tiravam-na na mesma (com absentismo ou férias).
    E sabes? O déficit do Reino Unido é maior do que o nosso...

    ResponderEliminar
  12. Quanto a déficit, ratings e crise, recomendo a leitura deste artigo: http://www.nytimes.com/2011/04/13/opinion/13fishman.html?_r=2

    Quanto a bate boca, só gostava de saber qual a razão de ciência de quem sabe porque sabe que os FP que trabalham são uma excepção...

    ResponderEliminar
  13. O problema das generalizações é que há sempre quem concorde, outros que discordam e arma-se logo confusão.
    Gostei do texto e da ideia subjacente, relativamente aos 20 milhões de euros que foram pelo cano com a dispensa da tarde de 5ª feira santa. E também me faz confusão, principalmente por causa da situação actual do país e de termos os senhores do FMI nste momento em Portugal. Devia haver um bocado mais de bom-senso na classe política, mas quem sou eu para opinar....

    ResponderEliminar

Obrigada!

GoodReads Challenge

2020 Reading Challenge

2020 Reading Challenge
Lénia has read 29 books toward their goal of 40 books.
hide

Instagram

Parceria

Subscribe