-->

Páginas

28 maio 2011

Fim-de-semana campestre

Se calhar foi por me ter batido aquela coisa de "eu era menina para viver no campo". Se calhar foi por estar cansada da vida-na-cidade, mesmo estando de licença de maternidade. Se calhar foi por estar farta de viver numa rua que é um túnel de vento, onde a temperatura é sempre aí menos uns 6º do que em Lisboa (e sim, isso chateia). Se calhar nem foi por nada disto. Mas decidi vir de fim-de-semana para a terra dele e estou a adorar. Está um tempo bestial (tirando a trovoada e a carga de água de hoje de manhã), isto está um sossego pegado. Muito bom mesmo. Ficava cá mais duas semanas. Entre limpar a casa, arrumar a cozinha e tratar dos miúdos, sobra-me tempo para ler, para crochetar, para pegar no computador e vir à net três casas acima da nossa. Agora apetecia-me pegar na bicicleta e ir andar uns 10k, mas não arrisco (miúdo que precisa de mama oblige). Assim sendo, vou continuar a lagartar. E apetece mesmo dizer

que bem que se está no campo!

(A parte má: ele ficou em Lisboa, a trabalhar...)


3 comentários:

  1. Querida Marianne, a vantagem de se viver no campo é que se tem mais tempo, para tudo, sem dúvida :)

    ResponderEliminar
  2. Aproveitem bem. Eu também adoro o campo, apesar de não me imaginar a viver no campo. Pelo menos, por agora, mas acho que a longo prazo, mais velhos, não há nada melhor que envelhecer no meio do ar puro, da natureza e da jardinagem. Bom fim de semana

    ResponderEliminar
  3. Eu cada vez gosto mais de dias tranquilos a aproveitar bem o tempo. Nada como ir para o campo. Por acaso tenho sorte de viver num sítio tranquilo, mesmo na cidade. Aproveita, mesmo sem marido. :)

    ResponderEliminar

Obrigada!