-->

Páginas

24 junho 2011

O Síndroma da Super-Mulher

Acho que já disse isto aqui e repito: excelente ideia aquela de as mulheres quererem a igualdade e tuditudo. Excelente. Pena foi os homens não terem aproveitado o embalo e exigido igualdade para eles também.

Sei que há muitos homens que fazem tudo e mais um par de botas e que, mais do que "ajudar", concretizam. O meu não entra neste grupo (não é falta de vontade, é falta de tempo mesmo). Isso faz com que eu ande a dar uma de super-mulher. Ora acontece que este foi um papel que eu não pedi para representar. Mesmo.

Levanto-me às 7h, para estar no trabalho às 9h30. Pelo meio, uma filha na escola, um filho na avó, trocar de carro (don't ask...) e seguir viagem. Trabalho agora até às 16h (passará a ser até às 18h a partir de Janeiro), saio do escritório, vou buscar o miúdo, trocar de carro, apanhar a mais velha. Se tiver o jantar pensado entramos no parque infantil que apanhamos no caminho e estamos ali uns 20 minutos. Senão é seguir para casa. Adiantar o jantar, arrumar alguma coisa que careça de arrumação (e em minha casa muita coisa carece de arrumação!), dar banho à miúda, dar jantar ao miúdo, dar banho ao miúdo, fazer o nosso jantar. Entretanto chega o marido, que toma um banho e está pronto para ir para a mesa. Jantamos, a miúda vai-se deitar (o mais novo tem dias: às vezes adormece logo a seguir ao banho, outras nem por isso), o marido vai-se deitar e eu vou para a 2ª ronda: arrumar a cozinha, preparar as coisas para o dia seguinte, pôr a mesa para o pequeno-almoço. Se for relativamente cedo (i.e., 22h30 ou antes) ainda me sendo a costurar ou a fazer acabamentos nalguma peça que esteja por acabar. Entretanto adormeço neste processo e vou-me deitar, na melhor das hipóteses, às 23h30. Depois, durante a noite, acordo umas 3 ou 4 vezes (mínimo) para ir dar mama/biberão. Faço isto em piloto automático, porque tem que ser. Acordo sempre com a sensação de que levei uma tareia, mais cansada ainda do que estava quando me deitei.

Posto isto, senhores, a igualdade é muito bonita, mas era fantástico que fosse, efectivamente igual. Porque a igualdade, na minha vida, mais não é do que um desequilíbrio brutal.

E, como já aqui expliquei, nada a fazer: o meu marido levanta-se às 5h e chega a casa às 20h30 todos os dias. Ando a batalhar para que ele arranje maneira de chegar a casa às 19h30, porque essa é a hora caótica para mim. E eu, coitadinha de mim, sou humana, de maneira que só vim equipada com dois braços e duas pernas e, no meio daquele circo que são os meus finais de tarde, alguma coisa tem que ficar para trás...


6 comentários:

  1. Como te compreendo! E eu só tenho ainda um filho... e também tive uma fase que trocava de carro!

    ResponderEliminar
  2. Pois. Muitas são as mulheres que se vêm neste post...eu sou uma delas. Por falta de tempo, também me armo em super mulher. Com um gajo de 11 anos e duas de 1. :D

    ResponderEliminar
  3. Porra que horario do teu marido hein!!! Deus queira que consigam ganhar pelo menos 1 horita, faz muita falta.

    ResponderEliminar
  4. Sem bem dar-te valor! Não tenho 2 filhos mas tenho um que só há 2 meses começou a dormir a noite toda...ou seja, até aos 3 anos,passei mtas noites agitadas, em branco e sp de serviço, pois claro! O marido sai às 6h45 e regressa a casa entre as 20h45/22h! O meu filho é super enérgico e eu fico rota e dps conciliar a vida profissional com tudo isto é complicado.... Enfim...

    Bjokas, força, tudo de bom!

    ResponderEliminar
  5. Deveria haver na net um site de troca de horas. "oh, não tenho nada que fazer durante duas horas, poderia da-las a alguém". Daria-te as minhas horas de solteira sozinha com todo o gosto. Entretanto, continuas a ser uma wonder woman ;)!

    ResponderEliminar
  6. Ai, Elite, Elite... eu aproveitava essas horas para dar um petit pulinho a Paris, para irmos espairecer a Saint-German. Parece-te bem?

    ResponderEliminar

Obrigada!