-->

Páginas

05 julho 2011

Dar e receber

É sabido que adoro o sítio onde trabalho. Não falo do sítio físico (gosto), mas sim da empresa. Tratam-me como pessoa e não como máquina, a equipa que está agora em funções é a melhor desde que entrei para a empresa (e a mais pequena também!) e tudo corre bem.

Não tenho stresses com horários, se precisar de sair mais cedo saio, se precisar de entrar mais tarde entro, se precisar de esticar a hora de almoço estico. Mas se precisarem de mim a trabalhar também levo trabalho para casa, saio mais tarde do que as minhas 16h-de-licença-de-amamentação e abdico da hora de almoço. Quando tudo isto se junta num dia só, é dor de cabeça garantida. É o que estou a viver hoje. E não me sinto "roubada" porque sei que estou a dar mas também recebo. E a empresa sabe que dá porque recebe. Win-win, claramente.


4 comentários:

  1. Por aqui tb funciona nesses termos. Não adoro o meu trabalho, mas reconheço que tem coisas positivas, e essa flexibilidade é uma delas. bj:)

    ResponderEliminar
  2. é tão bom poder ler este género de posts, faz-me acreditar que ainda há gente honesta algures no mercado de trabalho.
    eu neste momento estou a passar por uma fase estranha, ainda não sei bem o que pensar, mas é bom saber que algures ainda há esperança.

    ResponderEliminar
  3. Eu também tenho a sorte de trabalhar numa empresa com bom ambiente e sem problemas de horários e ainda regalias acima da média (ginástica in loco, fruta e iogurtes grátis), aliás, ficamos em 18º lugar no ranking das melhores empresas com menos de 100 colaboradores para trabalhar em Portugal!
    Mas sem dúvida que o que marca a diferença é a equipa de 3 pessoas à qual pertenço e que já vai com 6 anos de trabalho.
    Já ganhei muito mais, mas odiava o chefe e a empresa e nunca fui tão infeliz na vida... ainda me lembro bem da sensação de acordar e de ter de 'morder' as lágrimas só de pensar que ía para o emprego, de me sentir infeliz e sem valor. Quando tive coragem de procurar outra coisa, lembro-me que fui a entrevistas onde nitidamente não consegui esconder que duvidava das minhas capacidades, tal era o trauma!
    No meu emprego actual sou valorizada, sinto-me 'importante', acarinhada e respeitada.
    Vou para casa ao fim do dia e adormeço feliz.
    E a paz de espírito não tem preço.

    ResponderEliminar
  4. Isso é algo que só quem nunca passou pelo oposto é que não sabe valorizar. Isso é uma das melhores coisas que se pode ter na vida. O trabalho não é essencial se ser feliz, acho eu, mas para quem trabalha gostar do que faz e sentir-se bem no local de trabalho, isso sim, é mesmo essencial para ser feliz.

    ResponderEliminar

Obrigada!