-->

Páginas

03 agosto 2011

Adenda ao post anterior

Dá a ideia que andei aos pulinhos de emprego em emprego e não é bem o caso. A saber:

1º emprego: 7 meses
Empresa do Quimiparque/Alvalade: 2 anos e meio
Empresa do Tagus Park: 4 meses
Empresa de Santos: 5 meses
Empresa da R. da Madalena: 5 meses
Empresa de Oeiras/Parede/Carnaxide/Santos: faz 6 anos em Novembro

O que eu tive foi uma fase má, em que me meti em projetos que não correram bem. Depois fui trabalhar com uma amiga e aí a coisa não correu por aí além por várias razões: mercado, a minha imaturidade na altura, entre outras coisas. Depois, felizmente, encontrei um sítio onde adoro trabalhar, onde trabalho com pessoas como deve ser, que sabem trabalhar e lidar com as pessoas. Por mim, continuo onde estou por muito, muito tempo. Aqui e na empresa do Quimiparque foi onde verdadeiramente senti o que é vestir a camisola. Nos outros sítios só tive tempo de vestir as mangas (e num deles nem isso!).

Se podia ter uma super vida profissional? Se calhar podia... mas nunca fui "carreirista" e continuo a não ser. Prefiro qualidade de vida a ordenados milionários, posições de alto gabarito e mais parras do que uvas. Gosto muito da vida que tenho, apesar de todas as vicissitudes. E não sei se mudava...


3 comentários:

  1. Ainda não ingressei no mercado de trabalho, mas revi-me muito nestas tuas palavras.. "mas nunca fui 'carreirista' e continuo a não ser." Sinto-me um bocado assim, acho (só para não dizer que tenho a certeza, porque isto sabe-se lá.. ;)) que nunca vou ser aquele género de pessoa que vive para o trabalho e se satisfaz mais com o alcance de determinadas metas a nível profissional do que com uma vida pessoal/amorosa/familiar sólida e feliz.

    ResponderEliminar
  2. ... e fazer aquilo que se gosta, com pessoas que valem a pena sorrires no trabalho, já é um bom prémio, um excelente prémio (digo eu) :) :)

    (no passado recordo de ter sido incitada pelo meu ex-marido a procurar algo melhor remunerado, mas fiel aos meus princípios, acho que o facto de nos sentirmos bem num sítio, é fundamental)

    ResponderEliminar
  3. Marianne, faço minhas as tuas palavras. A minha ambição nunca foi crescer em carreira, mas sim procurar um emprego que me faça o mais feliz possível, que me faça sentir "em casa" de alguma maneira.
    Às vezes acho que peço demais, realmente deve ser a coisa mais difícil de encontrar, mas ainda não desisti. Por enquanto vou-me adaptando o melhor que posso ao actual (faz hoje um mês, yey!), mas...

    ResponderEliminar

Obrigada!