-->

Páginas

31 agosto 2011

Não há nada que não me aconteça... (Aposto que já tinham saudades!!)

Sábado passado, hora de almoço. Marido resolve ir à rua fazer já não sei o quê. Dá voltas à chave, na porta de casa, e a porta nada de abrir. Trinco nem para um lado nem para o outro. Tenta com a minha chave. Nada. Porreiro: estamos trancados em casa.

Ligo para a Sofia, que mora perto, a saber que andava por ali. Por sorte ainda andava (estava de saída para longe). Pedi-lhe que passasse em minha casa, para ver se me conseguia abrir a porta pelo lado de fora. Ela chegou. Fizemos descer a chave até à rua atando um cordel ao porta-chaves (porque atirar a chave era capaz de a partir, visto que moro num andar alto). Ela pega naquilo, entra, tenta abrir a porta e nada. Nem para um lado nem para o outro.

A chave original está em casa dos meus pais. Que estavam na terra. Fora de questão, portanto. Entretanto a Sofia passou ao lado de uma loja de ferragens que tem serviço de emergência para casos destes. Ligou-me a dar o número de telefone. Ligo para eles. O senhor diz que já volta a ligar. Liga 3 minutos depois. Aparece lá ao fim de mais 10 ou 15 minutos. Voltamos a fazer descer a chave (que entretanto subiu atada a outro cordel) e ele tenta o mesmo que a Sofia, obviamente sem êxito. Lá saca das ferramentas dele e consegue desencravar aquilo. Termina o trabalho com um "da minha parte são 80 euros".

Aparentemente, a chave do meu marido, gasta e velha, encravou a fechadura. Solução: fazer chaves novas, a partir da original, e testá-las até estarem perfeitas. Se voltar a acontecer isto teremos que mudar o segredo da fechadura e aí, em vez de oitenta, serão duzentos e muitos euros. Já fizemos as chaves e a coisa está tratada.

Pormenor: no sábado era suposto termos ido a um casamento. Felizmente, o mar não está para peixe e casamentos de pessoas que não conheço de parte nenhuma são coisa em que nem me passa pela cabeça investir dinheiro... Se tivéssemos aceite o convite de casamento, teria sido um belíssimo stress...


1 comentário:

Obrigada!