-->

Páginas

31 agosto 2011

Sobre o tipo que violou a turista italiana

Mas alguém no seu perfeito juízo acha que um tipo que está ilegal em Portugal vai cumprir as apresentações periódicas à PSP a que foi obrigado por ter raptado e violado uma rapariga italiana que veio para cá de férias?

É preciso ser-se muito estúpido para se estabelecer uma medida de coação destas a um tipo destes. Para mim, em casos de violação, abusos sexuais a menores e afins não há cá apresentações periódicas nem prisões domiciliárias. É prisão preventiva mesmo, para depois passar à prisão efectiva. Já para não dizer que há casos em que tenho pena de não haver penas mais pesadas na moldura penal cá do burgo.


8 comentários:

  1. Viva Portugal! Ou não.

    Enfim...somos assim tão idiotas?..

    Maria

    ResponderEliminar
  2. Se até ilibaram um sr. doutor-psiquiatra que violou uma grávida de 32 semanas, porque a violação "não foi exercida de forma violenta", que mais se podia esperar???
    Eu começo é a achar que os juízes nunca foram "violados" mas deveriam ser, assim para experimentar a sensação de "absorção"!

    ResponderEliminar
  3. o código penal português é uma vergonha e com a última revisão ainda ficou pior. às vezes faz-me ter vontade é de me auto-deportar.

    ResponderEliminar
  4. É ultrajante!
    Estas situações causam-me cá um asco que eu nem sequer consigo descrever!

    ResponderEliminar
  5. Concordo. Mas se é ilegal, era metê-lo num avião de volta ao seu país. Porque é que vou ser eu (contribuintes portugueses) a pagar-lhe a estadia na prisão?

    ResponderEliminar
  6. A justiça portuguesa deixa muito a desejar. É um facto indiscutível. Mas não acho que o problema seja só o código penal. Acho que em muitos casos, se um familiar do juíz fosse a vítima, a pena aplicada seria bem diferente. Sim, acho que por vezes os juízes são indiferentes, insensíveis e desinteressados.

    ResponderEliminar
  7. Qualquer tipo de abuso sexual em Portugal é tratado como uma brejeirice, como se a vítima estivesse a pedi-las, independentemente do sexo, idade, saúde mental, etc.
    Indicando as últimas estatísticas (com toda a sua falibilidade, visto que há tanta vítima que não o confessa) que cerca de 1 em cada 5 mulheres já foi vítima de qualquer tipo de abuso sexual, não sei como é que se acomoda com estas «penas» a nossa classe governante e judicial - que sem dúvida terá, pela força dos números, familiares vítimas.

    ResponderEliminar

Obrigada!