-->

Páginas

01 outubro 2011

Dar o tilt

A minha mãe sempre me disse: "dá-te forte e passa-te depressa". Confirmo. A par com a omnipresente preguiça, major feature que me define, aquela é talvez a minha costela maior. Mentira, não é nada (e podia, oh se podia, pôr-me aqui a debitar lugares-comuns acerca de moi-même, mas adiante que se faz tarde e temos todos mais que fazer).

Esta semana foi um pavor. Muito cansaço, muitas preocupações, eu a esticar-me ao máximo das minhas forças. Como não me movo a cocaína, não aguento passar uma semana inteira a dormir quatro horas por noite. Pensava eu. Na verdade, aguentei. Por norma, há uma noite, a meio da semana, em que não costuro e me deito a horas saudavelmente normais. Esta semana não aconteceu. Foi sempre entre as três e as quatro da manhã, para alvorar às sete.

Claro que ontem a bolha rebentou. Saí do escritório mais tarde do que era suposto, mega dor de cabeça instalada, peguei mas foi no carro que não me apeteceu vir de transportes. Fiz o IC19 em esforço para manter os olhos abertos, tendo o mundo contra mim: o sono, o cansaço, a dor de cabeça e o sol a bater de frente. Cheguei. Mimei os miúdos, lanchei e adormeci encostada à mesa da cozinha da minha mãe. Pedi-lhe que desse um toque ao meu marido, só para dizer que eu me ia deitar um bocadinho, que nem sequer estava em condições de ser eu a ligar-lhe. Dormi quase uma hora. Sono pesado. Entretanto ele chegou. Viemos para casa, fiz o jantar, ele deu banho aos miúdos, jantámos, eu arrumei a cozinha e às 22h30 estava na cama, a ler um bocado (o livro que ando a ler: pensei em desistir a meio mas aquilo, subitamente, tornou-se interessante e está quase lido). Adormeci ainda não era meia noite, livro caído em cima do peito, óculos na cara, meias por calçar (eu sou uma pessoa deveras friorenta e este ano só devo ter dormido sem meias uma meia dúzia de dias: relembro que moro no epicentro de um furacão onde nunca está calor e o vento e o frio abundam sempre). Ele aconchegou-me, fechou o livro, tirou-me os óculos, calçou-me as meias e eu pude dormir (e se isto não é Amor, não sei o que será).

Dormi sem interrupções até às oito, hora a que a mais velha veio instalar-se no meio de nós e ó mãe, quero leitinho e quero ver o Panda, lá me levantei para lhe aquecer o leite e pôr a televisão no canal do demo. Dormitei mais um bocadinho e às nove o pai resgatou o mais novo à palração sonora em que ele estava e trouxe-o também para a nossa cama (e ainda sobra espaço para, pelo menos, mais um ou dois miúdos. Não vai acontecer). Lá me levantei novamente para aquecer o leite do pequeno, dei-lhe o biberon e seguimos caminho. Tomei o pequeno-almoço, o pai e a filha saíram para andar de bicicleta, fiz a sopa do miúdo (que está a dormir a sesta da manhã quase há duas horas) e sentei-me a costurar e a escrever isto que agora lêem.

Estou retemperada. Com forças para trabalhar fim-de-semana fora, que bem preciso. As preocupações e os problemas não desapareceram mas sossegaram debaixo das horas de sono que me permiti ter. Há que saber quando parar. Há que respeitar o que o corpo e a cabeça nos ordenam. Ontem parei. E agora já só paro lá para quarta-feira ou coisa que o valha. Se não der o tilt entretanto...

4 comentários:

  1. Por muita vontade ou necessidade que tenhamos, o nosso corpo não aguenta um ritmo alucinante muito tempo!!! É preciso descanso.

    ResponderEliminar
  2. Muito importante o soninho... Eu, se não durmo algo como 7 horas mínimo de noite, fico "zombie" o dia inteiro. Claro que já dormi menos, nos primeiros meses das minhas filhocas, mas aí não sei como é... não se fica tão cansada.
    Mas mais importante que o sono é conseguir descansar. Esvaziar a cabeça dos problemas, "tomorow is another day", que agora não se resolve nada mesmo...

    Bom descanso! Sem tilts!

    ResponderEliminar
  3. eu tenho de dormir mesmo muitas horas por dia, só para conseguir funcionar. é que senão fico impossível de aturar! mas às vezes bem que precisava de mais dias numa semana...

    ResponderEliminar

Obrigada!