-->

Páginas

24 janeiro 2012

Poemas

Encontrei por acaso o meu último caderno de poemas. Houve uma época em que eu só escrevia poesia (e achava que tinha jeito para aquilo). Esta época começou quando eu tinha uns 14 ou 15 anos e durou até aos 24, que foi quando comecei a escrever em blogs. Tenho muitos, muitos cadernos com poemas. Este, que andou anos no porta-luvas do carro, foi escrito em 2007. O último poema data da véspera do dia em que engravidei da minha filha. Não sei se isto quer dizer alguma coisa. Sei que, estranhamente, gostei do que li. E fiquei com pena de me ter "perdido" da poesia. Quem sabe um dia...

10 comentários:

  1. Olha...tens agora oportunidade de publicá-los aqui, num separadorzito: Poesia by Marianne :P
    A julgar pelos textos que escreves, devem ser muito bons :)

    E por falar em carro? Posso perguntar se há desenvolvimentos acerca do carjacking do vosso?
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Não é coisa que eu queira misturar aqui, esta coisa da poesia... (ocasionalmente, quem sabe...).

    Sobre o carro: continua "jacked". Paz à sua alma...

    ResponderEliminar
  3. Poderá ser a poesia a "coisa" que fala e que mencionou no post anterior? :)*

    ResponderEliminar
  4. Não, Kittie. A poesia é uma gaveta fechada. Por enquanto. Não tenho planos para ela, para os tempos mais próximos (não me façam pensar nisso senão arranjo lenha para me queimar!!)

    ResponderEliminar
  5. Não, a sério... a ti não te faltam braços nem tempo para fazer as coisas... sobram-te! Fico cansada só de ter ver /ler, mulher! E ainda mais inspirada! :D

    Espero que encontres rápido a partícula que te permitirá ficar ainda mais completa!

    ResponderEliminar
  6. E se os quiseres tornar "públicos", nós agradecemos =)

    ResponderEliminar
  7. que máximo ... espero que um dias retomes essa paixão :) :)

    ResponderEliminar
  8. Sei que são coisas (muito) pessoais mas adorava (e parece que não sou só eu) que os publicasses :)
    Beijocas!

    ResponderEliminar
  9. nunca nos perdemos da poesia, Marianne, ela está sempre lá, às vezes de porta aberta, outras fechada, mas vive em nós. poeta não é uma coisa que se possa deixar de ser. :)

    ResponderEliminar

Obrigada!