-->

Páginas

14 março 2012

Dicionário (a propósito... nem de propósito... a despropósito)

Eu não sei como é que é no vosso dicionário mas, no meu, não gostar ou não concordar com uma coisa NÃO significa que tenha inveja do que quer que seja. Porque, felizmente, tenho a cabecinha organizada e consigo separar águas. Não gosto porque não gosto, é simples. Da mesma forma que, quando gosto, não é por ser ovelha de rebanho, é por gostar mesmo. Chama-se "ter personalidade própria e pensar pela própria cabeça".

Invejas? Não tenho. Ah, mentira, tenho: da Heidi Klum que, quatro filhos depois, continua linda e magricela. Mas é inveja da boa. Acho lindamente que ela seja assim. Adoro. Convivo lindamente com o sucesso dela. E com o do Saramago, por exemplo. E com o do João Tordo. E com o da Meryl Streep. Ou do José Fidalgo. Gente que faz coisas válidas, que cresce à custa do seu talento, sem ter que explorar ninguém. Lido lindamente com sucessos merecidos, que não se fazem à custa das fragilidades de ninguém. Got it?

[É óbvio que há sempre quem interprete o que os outros escrevem ao contrário. É o problema da comunicação. Uma coisa é o que queres dizer, outra é o que efectivamente dizes e outra ainda é o que quem recebe a mensagem entende. Três coisas diferentes, portanto.]

15 comentários:

  1. Nem é a questão da inveja. É mesmo que, se se escreve sobre o que se gosta, porque não escrever sobre o que não se gosta? Eu não gosto das medidas de austeridade e por isso tenho que calar e não perder tempo com elas? Ora essa, se não gosto publicito que não gosto para que mais pessoas tomem consciência que não prestam (o exemplo não é o melhor porque ninguém gosta, mas a ideia é que se perceba).
    Da mesma forma com os blogues que não prestam, é importante conhecê-los para se dizer que não se gosta deles. E publicitar que há lixo a poluir o mundo e criar espírito crítico para que se veja o lixo como lixo e não de forma iludida. Bah. Pronto, tenho de criar um blogue, hoje estou para destilar...

    ResponderEliminar
  2. ó Ana, é isso mesmo! Mas por que raio é que não posso escrever que não gosto de amarelo? Ah se não gosto de amarelo é porque tenho inveja do amarelo. E não consigo conviver com o facto de o amarelo ter muito sucesso, por exemplo, ao nível do sol que é uma coisa grande, muito importante e que, apesar de não ser realmente amarelo, é sempre retratado como sendo. Ora, porra! Era o que mais faltava!

    [E eu, como se poder ver pelo colorido aqui do tasco, ADORO amarelo. Foi só para exemplificar, pronto!]

    ResponderEliminar
  3. Eu continuo a achar que quem tudo argumenta com a tal da inveja é porque não sabe argumentar com mais nada. São cabeças limitadas, pronto, não dão para mais. Quem não consegue entender que existem pessoas com opiniões e gostos próprios (e diferentes dos da maioria) é porque, com toda a certeza, não os tem, não sabe o que é isso. Então só pode ser inveja, pois claro!

    ResponderEliminar
  4. Uma vez mais, Marianne: não está em questão se escreves sobre o que gostas ou que não gostas. Mas, convenhamos, desde que aqui venho já lá vão, pelo menos, três posts sobre o tal "casal maravilha". Assim, eles têm publicidade nos blogues deles e...no teu! Acabas por ajudar ao tal "aproveitamento", como referiste, ainda que em sentido contrário. Como diz o outro: "Falem bem de mim, falem mal de mim...mas falem!" :(

    ResponderEliminar
  5. Homónima
    Não concordo. Não ajuda ao aproveitamento, pelo contrário: desmascara-o, põe-no a nu. É o que fazem os críticos de cinemas e filmes quando não dizem bem de um filme de que não gostaram. Certo? É que há coisas tão excessivamente graves e parvas que têm de ser denunciadas. Se mais pessoas falarem mal, são opiniões que se formam para não comprar o livro (espreitar, espreitem-no, mas não mais do que isso). Percebo o teu ponto de vista, acho que aqui não se aplica. Mas é a minha modesta opinião.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se reparares, eu digo: "Acabas por ajudar ao tal "aproveitamento", como referiste, ainda que em sentido contrário." É publicidade, quer se queira, quer não. Mesmo que seja a tentar desmascarar o tal "aproveitamento", fala-se dele e isso - como disse em resposta ao post anterior - pode suscitar curiosidade. Se se fala de determinada coisa (a bem ou a mal, está a causar sensação...), queremos saber do que se trata...

      Eliminar
    2. "Se mais pessoas falarem mal, são opiniões que se formam para não comprar o livro (espreitar, espreitem-no, mas não mais do que isso)." O fruto proibido é o mais apetecido, e quanto mais se diz "não comprem" ou "é uma fraude", mais as pessoas vão no sentido contrário. O principal, que é suscitar a "pulga atrás da orelha", já está a ser feito. E se as pessoas forem espreitar, é meio caminho andado para comprarem ou não. E se não acharem (como tu) que o livro é uma cagada, ai, Marianne...bem podes estar a dar-lhe de bandeja mais leitores. Não vale a pena. Por algum motivo recusas-te a desligar de tais personagens, embora claramente isso te consuma (não digo de inveja, mas talvez por te sentires injustiçada de alguma forma). Não é bom.

      Eliminar
    3. Ó Ana, vamos lá ver se nos entendemos: dizeres que me sinto injustiçada ainda é pior do que alegarem que tenho inveja deles. Não é nada disso. Acho o livro uma palermice. Acho um abuso que se aproveitem de pessoas fragilizadas. É SÓ isso. Mais nada. Não me sinto injustiçada nem nada que se pareça.

      E, olha, se o que eu escrevo levar a que alguém compre o livro, então é porque entenderam tudo ao lado. Porque, tal como disse no post inicial, acho que aquele dinheiro e o tempo usado para ler o livro seriam muito melhor empregues noutras coisas. Mas é óbvio que cada um é dono do seu dinheiro e do seu tempo...

      Resumindo: acham graça? Leiam. Acham útil? Leiam e pratiquem. Da minha carteira saem ZERO euros naquela direcção...

      Eliminar
    4. Marianne, existem "n" bloggers com livros publicados que são uma merda em três actos, que são convencidos de que são muito bons, etc e tal. Se calhar até mais do que este tal "casal maravilha". Mas, por alguma razão, tu dedicas-lhes tempo de antena. E com isso...com essa insistência, acabas por lhes dar publicidade gratuita, e grangeias especulações acerca dos motivos desta mesma insistência. Desculpa, mas é o que penso.

      Eliminar
    5. Já percebi o teu ponto de vista. Acho que já percebeste o meu. Adiante...

      Eliminar
  6. Eu tenho uma psicopata chatinha que diz que eu também acho que toda a gente tem inveja da minha vida... ora bem, eu posso não ser um génio, mas penso que nunca disse tal coisa. Lá porque sou feliz, não acho que os outros me invejem. Gente venenosa é outra coisa.

    ResponderEliminar
  7. Eu concordo e subscrevo completamente.
    E até me apetece fazer copy&paste e meter no meu blogue porque não diria melhor!
    (mas não vou fazer!)

    Beijo

    ResponderEliminar
  8. É difícil contrariar essa confusão. Ainda hoje tentei rebater um comentário no meu blog precisamente nesse sentido.

    Beijoquinha babe

    ResponderEliminar
  9. Se estivesses a falar de quanto achas as kardashians futeis e inúteis, ninguém achava que era inveja. Era só engraçado. Os portugueses ainda têm a mentalidade pequenina de pensar que jamais podemos ter a frontalidade de dizer ao vizinho da frente que não o achamos simpático. É de mau tom ser sincero. É desagradável discordar e fundamentar aguerridamente (?!) uma posição pessoal. Ou és invejosa, ou és arrogante.

    ResponderEliminar
  10. Bem.. A confusão que aqui vai! :)
    Eu também os acho um bocadinho irritantes... Já gostei muito dos dois! Mas as coisas foram mudando. "Sou a última Coca-cola do deserto" é uma mentalidade que não me compra! A ela cortei logo na manhã seguinte aos Oscars! Irritou-me passar a noite a dizer mal de tudo e de todos quando a vontade dela era estar ali no tapete vermelho a desfilar um trapo qualquer! (Já no ano passado tinha sido igual!) A ele ainda vou lendo, embora com menos assiduidade.
    Acho a palavra "Desmascarar" um bocadinho forte! O rapaz também não está a montar nenhum esquema maléfico para sacar dinheiro a encalhadas desesperadas! É o que ele tem a dizer e teve a sorte de o pôr num livro. Quantas pessoas não arrancavam uma unha (ou mais) para estar no lugar dele (e até dela). Temos bom remédio: gostamos - compramos! Não gostamos - não compramos! :)
    Há coisas bem piores na vida! Garanto! :)

    Um beijo e um queijo a cada uma!

    ResponderEliminar

Obrigada!