-->

Páginas

16 maio 2012

Terceiro filho: as perguntas desnecessárias

Quando engravidei da minha filha mais velha foi a alegria geral (depois do choque inicial). O segundo filho TROUXE com ele comentários do género "que bom, agora já ficas despachada, tens um casal". O terceiro filho traz olhares de espanto e a pergunta recorrente "mas queriam ou foi um acidente?".


 


Esclarecendo: sim, queríamos. Não, não foi um acidente. Sim, adoro números ímpares. Não, não gosto de números pares. Este terceiro filho desempatará os géneros cá de casa e está óptimo assim. Será o último filho, muito desejado, muito esperado, muito bem-vindo. E lá se vai o já-tens-um-casalinho-já-estás-despachada.


 


 


[Nos vossos teclados não sei, mas no meu o S e o X estão pegados. E eu escrevo sem olhar para as teclas. E obrigada às 746 pessoas que me alertaram para a gralha...]

15 comentários:

  1. Antes de mais corrige só aí o trouxe ;) E podes apagar o comentário que é mesmo só para te avisar da distracção :)

    ResponderEliminar
  2. Há perguntas realmente desnecessárias e eu, que ainda não tive nenhum, também adorava ter filhos porque, tal como tu, adoro números ímpares e não sou de números pares! Não sei se me vou 'aventurar', logo se vê na altura, mas é um desejo que tenho.

    Quanto à expressão 'já tens um casalinhos já estás despachada' é das coisas mais... despropositadas (para não dizer outra coisa) que já ouvi. A parte do 'foi acidente??', dependendo de quem vem, também é.... evitável.

    ResponderEliminar
  3. Ola Marianne,

    Não tenho filhos, não sei quando é que os vou ter (ainda sou novinha) e nem tenho nenhum "número" preferido de quantos quero ter...
    Apenas sei gosto de ver os casais a passear com um trio. Não sei se é por ser quase raro nos dias de hoje, ou se inconscientemente é esse o meu número.
    Só desejo que sejam muitos felizes com esse vosso trio e que tudo corra bem :)

    ResponderEliminar
  4. Sou fã da escrita e enquanto mãe, sou também fã das mães trabalhadoras. E de tudo o que mais gosto é da coragem de ir ao terceiro (tenho duas).
    Só não entendi esse "trouse"...o segundo filho "trouse" consigo!!! Distração, certamente.

    ameninadassardas.blogspot.com

    ResponderEliminar
  5. trouXe
    http://www.priberam.pt/dlpo/Conjugar.aspx?pal=trazer

    (não publiques)

    ResponderEliminar
  6. Pois eu tenho dois irmãos - um macho e uma fêmea. Acho que é o número perfeito.

    ResponderEliminar
  7. Se há coisa que detesto é quando dizem "já estás despachada" nesta coisa dos filhos. Ou então quando são dois do mesmo sexo e dizem "olha, tiveste azar.. para quando a menina/menino?". Por favor!

    ResponderEliminar
  8. Comigo era mais o "Ah, com 2 meninas, estão à procura/agora era bom/ dava jeito agora o rapazinho, não era?". Engoli umas quantas respostas tortas mas algumas saíram com q.b. de acidez, irra!

    ResponderEliminar
  9. Não me daria ao trabalho de comentar se não soubesse que adoras escrever, mas a segunda frase tem um "trouse" que deveria ser "trouxe".
    Muitas felicidades com a gravidez do terceiro e tudo mais.
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  10. Marianne? É a própria que está a escrever? "trouse"? "trouse"? Really?

    ResponderEliminar
  11. Lol! Eu tenho 3... E são os três rapazes. Imagine os comentários e as perguntas associadas... Desde \"ah que pena q o terceiro foi rapaz\", passando por \"agora falta-lhe a menina...\" e até houve quem dissesse \"corajosa, nos dias de hoje...\". Cada cabeça sua sentença. Os meus foram os três planeados e muito desejados!!! E posso dizer q as crianças são a coisa melhor do mundo!

    ResponderEliminar
  12. Estou convencida que os 764 que alertaram para a gralha estão agradecidos pela correcção.

    E desculpa lá qualquer coisa, mas (nós) jornalistas estamos habituados a rever os textos - e por muito que não se olhe o teclado, olha-se o texto...ou não?????

    ResponderEliminar
  13. Pessoas muito atentas a detalhes.
    (estás bem?)

    ResponderEliminar
  14. Vocês, jornalistas, não são imunes ao erro nem à gralha. Conheço muitos que dão erros de meia noite e que não revêem textos (e mesmo quando o fazem os erros ficam por lá, sólidos e intactos). Eu não sou jornalista, mas isso não serve de desculpa. Revejo os textos quando tenho tempo, mas há muita coisa que é publicada sem passar pelo segundo olhar. Ainda assim, foi uma gralha, um "mis-typing". Mil desculpas a quem se ofendeu com a dita...

    ResponderEliminar

Obrigada!