-->

Páginas

04 julho 2012

"Vai correr tudo bem..."

Não correu. E não ia correr, nunca podia correr bem.

Na quinta-feira passada ligaram-me do hospital a dizer que as notícias não eram boas: confirmava-se a mola parcial e o bebé tinha triploidia. Triploiquê? Triploidia: 69 cromossomas em vez dos habituais e saudáveis 46. Os cromossomas sexuais, por exemplo, ditaram que o bebé não era carne nem peixe: XXY. Ou seja, um cromossoma X da mãe e um X e outro Y do pai. Significa isto que o meu óvulo foi fecundado por dois espermatozóides ao mesmo tempo. Não, não podia ter resultado em gémeos. Os gémeos são, ou dois óvulos com dois espermatozóides (gémeos falsos ou bivitelinos), ou um óvulo e um espermatozoide que se dividem em dois grupos iguais de células (gémeos verdadeiros ou univitelinos).

O que aconteceu foi um azar do caraças. Um erro de programação. Uma raridade. E nunca poderia ter acabado bem. Eu senti desde o início que havia qualquer coisa errada e foi por isso que não me fiei nos mil "vai correr tudo bem" que me foram dizendo em forma de mimo e alento. Mas houve coisas que me magoaram. Garantirem-me que o bebé ia nascer "ele vai nascer, vai ser saudável, vais ver!"... Sem saberem que isso era impossível. E magoou-me que houvesse quem me vencesse de falsas esperanças. Feliz ou infelizmente eu sou uma pessoa fria e pragmática e nunca acreditei nesse género de previsão. Porque ninguém, nem os médicos, podia garantir-me que o bebé ia nascer. É por isso que eu, quando estou perante problemas de saúde graves, prefiro desejar boa sorte do que dar a palmadinha nas costas sob a forma do "vai correr tudo bem, vais ver". Porque eu não sei nada, não sou vidente e não posso assegurar coisa nenhuma.

Adenda: eu não fiquei chateada com os comentários que me deixaram aqui. Entendo a intenção e agradeço os mimos. Só houve um comentário fora daqui, de viva voz, que me tocou e que foi o tal em que me garantiram que o bebé ia nascer...

5 comentários:

  1. Concerteza que não foi com intenção de magoar nem criar falsas esperanças, até porque desse lado eu tenho a certeza que está uma mulher responsável e com os pés bem assentes na terra. Eu li a maioria dos comentários e fiquei com a certeza que todas as palavras expressas queriam afirmar que deste lado há quem esteja amargurada por aquilo que todos vós, especialmente a Marianne está a passar. O que mais interessa neste momento é que tudo corra pelo melhor sabendo de antemão que qualquer que seja o desfecho vai ser muito traumático. Eu aqui deste lado só desejo que tudo acabe rápido e com o menor sofrimento possível, sabendo no entanto que tudo o que possamos desejar soa a pouco e a trivial. Mas eu dou por mim a pensar na Marianne muitas vezes no meu dia e noite e não por pena, mas apenas porque aos poucos fui admirando a força interior que nos chegam atraves das suas palavras. Um abraço apertado desta amiga (ainda que virtual) que te lê ....))

    ResponderEliminar
  2. Admiro a tua força!! Um beijo enorme. :(

    ResponderEliminar
  3. Parecia impossível, mas ainda rezei por um milagre. Mas há coisas contra as quais não podemos lutar mesmo. É assim.
    Admiro a tua força e coragem. Espero que estejas a recuperar as tuas forças e a reparar essa alma doída porque o que viveste não foi mesmo fácil. Cá estarei para o que precisares.

    ResponderEliminar
  4. Lamento mesmo muito. É uma situação complicada e entende-se perfeitamente que as palavras de esperança, num momento em que sabes ser impossível que corra bem, se tornem irritantes. Agarra-te aos que tens e ao companheiro... muita força.

    ResponderEliminar

Obrigada!