-->

Páginas

29 outubro 2012

Dúvidas e certezas

Há um ano, quando fui levada a esta "escolha" de trabalhar em casa (por força de uma mudança de emprego que não podia ter corrido pior), mudou tudo. Tem sido um ano de adaptações e afinações. Ainda não está perfeito. Há dias em que acordo com saudades de me vestir de executiva, correr para o comboio e ir trabalhar fora de casa. Há outros em que bendigo (MUITO!) a sorte que tenho em poder estar aqui, no meu canto, a fazer as minhas coisas, ao meu ritmo. Há muito que sei para onde quero ir, mas só há pouco tempo comecei a trilhar este caminho. E ainda não é nada certo, falta-me afinar muitas coisas, falta-me aprender muito, falta-me trabalhar muito. Mas sei para onde quero ir.


 


Só que há dias em que as dúvidas são mais que muitas. Em que tenho medo de estar a fazer a escolha errada (embora o meu coração me diga que não). Há dias em que me sinto triste e penso que, se morresse agora, não deixava marca nenhuma no mundo (além dos meus filhos, que são umas pegadas de dinossauro enormes!). Há dias em que penso que o dinheiro que os meus pais gastaram no meu curso superior foi o dinheiro mais mal gasto da história da humanidade (tirando os submarinos do Paulo Portas). No fundo sei que não, mas o que é facto é que já pouco trabalho faço relacionado com o curso que tirei (e, sinceramente, não lamento muito esta parte - até porque, no fundo, sei que não devia ter tirado aquele curso). Depois lembro-me de que foi na faculdade que conheci o meu marido e se calhar foi só mesmo para isso que lá andei.


 


Gostava de poder ver-me daqui a cinco anos. Dar só uma espreitadela para ver onde vou estar, só para ver se valerá a pena este caminho que estou a fazer. Claro que perdia metade da piada, mas eu sou curiosa e ansiosa por natureza, quero tudo para ontem e era perfeito isto de poder olhar e pensar "ok, escolhi bem, agora é continuar". Quero acreditar que o meu coração é que sabe. E é para lá que vou, para onde ele me manda. Mas há dias, como hoje, em que as dúvidas são mais que as certezas e isso... é uma gaita, é o que é!

9 comentários:

  1. Sónia Araújo Pereira29 de outubro de 2012 às 17:34

    Malditas Segundas feiras, frias e cinzentas, que nos deixam nestes estados de alma!
    Por aqui o dia também não está a ser fácil... deve ser mal geral...
    Há que ver as coisas pelo lado positivo, mesmo que algo corra mal no percurso.
    Já dizia a minha avó (que faleceu faz hoje 13 anos): " Se a vida tivesse livro de instruções, não tinha lá grande piada, pois não?!" :)

    ResponderEliminar
  2. Foi um processo doloroso e complicado, se bem me lembro do ano passado por esta altura, mas na época, cheio de optimismo e certezas. Não te esqueças da Marianne que veio ter comigo com os dias contados naquele emprego maldito e a fazer mil planos para o futuro. Sei que na altura tinhas outro ponto de apoio que entretanto se revelou gorado, e que este ano também te trouxe um desafio pessoal muito doloroso.
    Eu continuo a acreditar em ti, a achar que tens muitas ideias fantásticas à espera de saírem cá para fora.
    Um ano depois estás a recomeçar, a trilhar este caminho com mais conhecimento e mais sabedoria, e isso já é muito, mesmo que te tenha parecido que abrandaste na vida.

    Quanto ao curso, não és a única a pensar que tiraste o curso errado, que o dinheiro dos teus pais foi mal gasto. Acho que a nossa geração tinha porque tinha de ter formação superior. Mas quando damos por nós as oportunidades não são assim tão boas, e será que temos algum papel realmente relevante na sociedade por causa do canudo?
    Mais vale mesmo fazer como tu, perseguir os sonhos, explorar talentos, tentar ser feliz.
    E estás a fazê-lo.
    Continuas a ser uma inspiração para mim.

    ResponderEliminar
  3. Eu costumo dizer que ainda bem que não sabemos o futuro embora lá no fundo até daria jeito, mas mesmo que erremos há que tirar algum ensinamento.
    Mas sim há dias assim...com tantas duvidas.
    Boa semana

    ResponderEliminar
  4. Um caminho faz-se caminhando, e muitas vezes só sabemos como é fantástico o destino quando lá chegamos. Entretanto, a única coisa que podemos fazer é acreditar e lutar pelo que achamos certo para nós. Boa sorte!

    ResponderEliminar
  5. Tenho a certeza que valerá a pena. As dúvidas estarão sempre lá, mas o que interessa é ir avançando!

    ResponderEliminar
  6. Essas duvidas são legitimas. Provavelmente é um caminho que tens de percorrer. E sempre que trabalhei em casa como freelancer também havia alturas em que tinha saudades da adrenalina de sair de casa de manhã, vestida a rigor, para mais um dia de trabalho.

    ResponderEliminar
  7. Marianne... hace dias me asaltaron dudas muy similares y por cosas del destino me llego este video... a mi me motivó y reafirmó que este es el buen camino... http://vimeo.com/uakixtv/nuevoparadigmalaboral

    esta en castellano...

    ResponderEliminar
  8. Olá Marianne,

    Também já tive um tempo que questionei o tempo gasto a estudar para uma profissão que pouco tem a ver comigo. A vida profissional até agora não correu como eu pensava. A determinada altura também me vi forçada a voltar para casa, cuidar dos meus... no meu caso, acredito ser muito mais compensador. Mas fica sempre aquele bichinho do querer ser independente, fazer o que gostamos, ganhar o nosso dinheiro. Também me ocorrem dúvidas muitas vezes, se fiz bem, mas até ao momento não tenho razões de queixa. Descobri novos interesses e decidi, organizar o meu tempo e dedicar-me também a eles, fazer o que gosto. Acho que é por aí, sem receios, dedicarmo-nos ao que dita o nosso coração, a nossa consciência. Boa sorte. Vou ficando por aqui a espreitar :)

    ResponderEliminar
  9. As minhas dúvidas são muito semelhantes. O que o coração me diz, estar em casa por desemprego e ter a sensação de desespero-dúvida-gosto.
    Também não sei que será do meu futuro e sem marido, porém com filhas. Apostar no que aposto neste momento, um curso para aumentar os meus conhecimentos, é uma dúvida se será um gasto ou um investimento. Enfim. Tudo muito duvidoso, no entanto, ganhei muito na relação com as minhas filhas e no tempo que com elas estou e "gasto".
    Fantástico o texto.

    ResponderEliminar

Obrigada!