-->

Páginas

08 março 2013

A mão que nos ampara

Ontem de madrugada, a caminho do trabalho, na descida da Crel junto a Loures, logo à saída do túnel, senhor marido apanhou um lençol de água. Ia a 110km/h (ele olha sempre para o conta-quilómetros à saída desse túnel porque sabe de gente que foi multada aí por excesso de velocidade). A traseira do carro fugiu-lhe. Andou às voltas. O carro ganhou velocidade. Quando estava de frente para o rail, já na zona da ponte (que, para quem não sabe, é altíssima), teve uma fracção de segundo em que reagiu conforme aprendeu num curso de condução defensiva: travou a fundo e o carro accionou os sistemas de segurança todos. Milagrosamente, endireitou o carro e seguiu viagem. Diz que viu a vida a passar-lhe à frente dos olhos. Acredita(mos) que Deus andou ali.


 


Hoje de manhã, com os miúdos no carro para os ir levar, numa rotunda perto de casa, fugiu-me a traseira do carro, fiz meio pião, fiquei de frente para o centro da rotunda. Consegui parar o carro, endireitei-o e segui viagem. Ia a 30km/h, em terceira. Não vi a vida passar-me à frente dos olhos, mas não parei de pensar no que aconteceu ontem ao meu marido. Acredito que Deus também andou ali.

7 comentários:

  1. Não há palavras... Apenas sentimento.

    ResponderEliminar
  2. nao sabia que se devia travar a fundo?
    mas deve-se fazer isso em todas as situações?
    quando o carro perde o sentido devemos travar a fundo, é isso?

    ResponderEliminar
  3. Ana, em cima de água NÂO se deve travar, de todo. Aliás, na maioria das situações, travar a fundo potencia o despiste. Ali, como a alternativa era bater num rail e cair de uma ponte, e como já não estava em cima do lençol de água, o que ele fez foi isso: travou a fundo e guinou o volante para onde queria ir. Os sistemas de segurança que o nosso carro tem activaram-se e ele conseguiu segurar o carro. Volto a dizer: ele só travou quando já não estava no lençol de água.

    Ficam aqui uns links úteis sobre o assunto:

    http://amolgadelas.com/noticias/regras-conducao-defensiva

    http://www.fulda.com/fulda_pt_pt/test_and_tips/driving_tips/Driving_in_the_wet/

    http://www.bocascar.com.br/stat_abre_dicas.asp?ID=3

    ResponderEliminar
  4. Fiquei sem pinga de sangue.
    Há quase um ano, no dia 25 de Abril do ano passado aconteceu-me algo parecido, e o carro só parou quando bateu... noutro. Não houve grande espalhafato, amolgou-se a porta do outro e a minha frente, do lado do condutor partiu-se. O senhor em quem bati, embora eu insisti-se que a culpa era minha, resolveu chamar a polícia - e eu meti-me dentro do carro e esperei (esperar por esperar, não estava à chuva). Os agentes foram amorosos e disseram-me que naquele caso (uma descida) não devia travar, devia usar a caixa de velocidades. ÓY, eu ia em segunda. Meter a primeira em movimento é complicado. METER UMA MUDANÇA é complicado, que se carregas na embraiagem numa descida (ainda por cima a chover), é igual a carregares no travão (naquele caso). Não havia mesmo escapatória.
    Aliás havia uma: O sinal de stop onde parei não devia estar ali. Não faz sentido. Pois que sim, podia reclamar com a CM, que tinha razão! Pois que era já a seguir.
    Entretanto já tinha chamado o senhor marido para tratar das papeladas (eu fico demasiado aparvalhada para tratar do que quer que seja), e bebi um chá de cidreira.
    Juro que durante uns meses fugi a conduzir com chuva...

    ResponderEliminar
  5. Verifica os pneus do teu carro. Já me aconteceu duas vezes nas rotundas ali ao pé de casa e das duas vezes foi por causa dos pneus... e da chuva, claro.

    ResponderEliminar
  6. Bolas!
    Deve ter amparado com a mão e com o colo!

    :*

    ResponderEliminar
  7. Fez ontem 2 meses que tinha eu acabado de deixar a pequena na escolinha, quando no regresso, uma rapariga adormeceu ao volante, entrou na faixa contrária e veio embater contra o meu carro. O carro teve perda total, mas tanto eu como ela não sofremos praticamente nada! Agora diz lá se não esteve ali a mão Divina? Podia ter sido mto mto grave! Assim, foi só \"chato\" pela parte material e agradeço a Ele, a minha filha não estar no carro naquele momento!
    Acredito Nele e que está sempre de mão dada conosco, mesmo quando pensamos que não está, como está escrito n\'\"As pegadas na areia\".
    Bjs e graças a Deus que todos estão bem!

    ResponderEliminar

Obrigada!