-->

Páginas

18 março 2013

Varandas, terraços, alpendres, jardins, quintais... e inveja

Há dez anos (dez anos??? Como dez anos?? Já??), quando andei à procura de casa, uma das coisas que, para mim, eram opcionais eram as varandas. Quer dizer, vivi 24 anos numa casa com três varandas (transformadas em marquises), reconhecia o jeito que aquilo dava (para secar roupa, essencialmente), mas havia de sobreviver sem varandas.


Quando encontrei a minha casa (esta, onde ainda vivo), encolhi os ombros e soltei um "oh, não tem varandas, não faz mal" e comprei a casa. Só precisei de UM inverno aqui para perceber que tinha feito asneira. Na altura, solteira e sem filhos, a quantidade de roupa que precisava de secar não justificava a compra de um secador de roupa. Nem de grandes invenções. Um estendal no meio da sala e a coisa dava-se. Agora não é bem assim. Agora passo o inverno a levar roupa para secar em casa da minha mãe, a tal que tem três varandas transformadas em marquises.


Por outro lado, é um facto que o sítio onde vivo (esta rua em particular) não convida a grandes cowboyadas exteriores, nem sequer no verão. Quer dizer, no ano passado houve TRÊS noites de verão nesta rua (sim, contei-as). De resto, não se pode andar na rua numa de t-shirt de alças e havaianas nos pés. O vento não deixa. Coisas como jantares lá fora são para esquecer. E neste sentido, não me chateia muito não ter um espaço exterior. Portanto, dada a minha conjuntura, a cena das varandas já deixou de me moer há muito tempo.


Até que.


 


Na semana passada, o Ikea convidou-me para assistir à apresentação da colecção Outdoor deste ano. Ora, convites do Ikea só recuso se não puder mesmo ir. É que eu e o Ikea... amigos para a vida! Bom, adiante. Lá estive eu, a ver a apresentação... e a auto-rogar-me cinquenta mil pragas. Porquê, senhores, porque é que eu comprei uma casa sem varandas?? A colecção é gira, as cores são giras e as possibilidades são infinitas. Eu, que quando chego a essa parte lá no Ikea, passo ao largo, abri finalmente os olhos para o admirável mundo do mobiliário e decoração de exteriores e... QUEM É QUE ME MANDOU COMPRAR UMA CASA SEM UMA VARANDINHA SEQUER PARA AMOSTRA???


 


Gostei mesmo... quer dizer, como é que dá para não gostar? Ora vejam...



 



Portanto, se eu tivesse uma varanda, já sabia o que havia de lhe fazer. Não tendo, limitei-me a babar perante estas imagens e perante os diversos espaços instalados no Ikea de Alfragide. Deu-me vontade de arranjar uma varanda ASAP (e quem diz uma varanda diz um terraço... ou um alpendre... ou um jardim... mas para isso já teria que incluir a palavra Euromilhões no cenário e... não me parece!).


 


{Muito obrigada ao Ikea pelo convite, pelos ensinamentos... e pela sensação de inveja - da boa - com que fiquei de toda a gente que tem a sorte de ter um espacinho exterior para tomar pequenos-almoços com sol e calor, para ler, para jantar com amigos, para pensar na vida, para secar roupa ou... seja lá para o que for!}

4 comentários:

  1. Na minha varanda faz uma ventania jeitosinha que pode fazer o estendal voar (ainda não aconteceu, mas à vizinha de cima...). Gostava muito de poder incrementar a minha pequena varanda, mas a quantidade de porcaria que acumula, mais o ventinho desagradável nem sempre tornam a experiência agradável.
    Mas já tive tardes de verão com cerveja e tremoços no final do dia, a esticar as pernas e a relaxar. Isso compensa, sem dúvida. :)
    (essa colecção está de babar, adoro a última foto. Acho que está na hora de renovar o mobiliário exterior...)

    ResponderEliminar
  2. O meu prédio tem marquises, ou seja, as varandas já estavam todas fechadas, o que foi bom porque foi uma poupança de dinheiro e de desastres arquitetónicos.
    A minha varanda até tem uma dimensão generosa, mas dá para o quarto, lá se íam as patuscadas. Comida de passagem pelo quarto? Não dava.
    Por outro lado moro numa praceta com prédios de 3 andares... a ideia de estarmos tão próximos uns dos outros também me inibiria a descontração.
    Assim sendo, a varanda é o território da gata (tem por lá 2 camas e brinquedos), tenho lá uma chaise longue (baixinha para ninguém me ver), tenho uma floreira de parede, uma pequena tangerineira (o aroma...), umas gaiolas que vieram da Tunísia e um estendal. E a roupa seca num instantinho!
    Mas o que gosto mais é de acender uma vela na lanterna recortada que trouxe de Marrocos e que está mesmo à porta da varanda...
    Os recortes de luz relectem-se num bocadinho de parede e de teto do quarto e é tão bom adormecer assim!
    Tens razão, uma varanda é bom e eu nunca tinha pensado nisso, mas secalhar uma marquise é melhor!

    ResponderEliminar
  3. Aqui na minha rua uma varanda é o mesmo que nada. Aqui vale mais mesmo uma marquise. Mas eu... nem isso! Portanto, já estou por tudo! Tomara eu ter um cantinho para me poder sentar a ler, por exemplo... Ou, lá está, para secar a roupa...!

    ResponderEliminar
  4. Olá, viva,

    Não tenhas pena de qq maneira, eu tenho um terraço com quase 20m2 de onde voa tudo o que lá ponho: chapéus de sol (já foram 3, sempre sucessivamente mais pesados), cadeiras e mesas desfeitas de tanto cairem e andarem às voltas, as poucas plantas que sobrevivem têm um aspecto miserável. No Verão, a radiação solar é tal que é impossível lá estar com o calor e tudo fica queimado (3 estendais em 8 anos) e quando a única solução possível para isto foi posta à câmara (fechar o terraço) foi proíbida. Ou seja tenho um terraço "maravilhoso" que não me serve de nada...

    ResponderEliminar

Obrigada!