Mais duas ou três coisas da nossa língua amada

abril 30, 2013

Ç ou C? Simples. Se a vogal seguinte for um e ou um i, então é sempre, SEMPRE, C. Se a vogal a seguir for a, o ou u, então depende do som.


 


Exemplos:


 


"Vou à caça. Nunca cacei nada, mas hoje vou ver se caço".


 


"Esta cidade é linda. Vocês não acham? Tem tantas construções de aço...".


 


"Fui acusado de roubar açucenas".


 


Portanto coisas como çidade, veloçidade e voçês são como os unicórnios: muita gente acredita neles, mas não existem!


 


Quando a palavra tem uma sílaba com som "ssss" usa-se a cedilha, nos casos em que ao C se segue um A, um O ou um U. O C junto do E e do I nunca tem um som "q", mas apenas "ssss" - Cidade, por exemplo. Já com as outras vogais pode ter som "ssss" ou "q", sendo que para ter o som "ssss" leva a cedilha - traça, caço, açucena / caso, coser, cueiros.


 


 


***


 


ou À? Simples: se se refere a tempo ou se pudermos substituir a palavra por uma forma do verbo existir, é sempre, SEMPRE, Há. Se se refere a coisas, pessoas ou lugares, é sempre, SEMPRE, à (e essas coisas, pessoas ou lugares são sempre do género feminino).


 


Exemplos:


 


" bocado liguei-te. Tinhas ido à rua?"


 


"Subi à árvore e caí."


 


" quantos anos casaste?"


 


"Ela disse à irmã que não ia à festa. Não se vêem montes de tempo e ela ficou à nora..."


 


"Aqui não perigo. Não animais selvagens." - Aqui podíamos dizer "aqui não existe perigo. Não existem animais selvagens."


 


***


 


"Chamas-te João" não é o mesmo que "Chamaste o João", ok?


 


Fizes-te, fos-te, disses-te, andas-te, telefonas-te... são unicórnios, está bem?


 


Então qual é o truque? Das palavras ali de cima só o "andas-te" pode ser usado mas não enquanto pretérito. Por exemplo:


 


"Andaste a correr?"


 


"Andas-te a esforçar?"


 


A primeira remete para o passado. A segunda é presente e tem um pronome pessoal ali no meio. Ou seja, se pudermos passar o -te para outro lugar na frase então ele deve ser separado do verbo e levar hífen. Se não pudermos pegar nisso e pôr noutro sítio então é sem hífen.


 


"Andas a esforçar-te?" - Esta forma é até mais correcta do que a anterior, porque os pronomes devem vir depois do segundo verbo, quando um se relaciona com o outro. Outro exemplo "Quero-te dizer uma coisa" é menos correcto do que "quero dizer-te uma coisa".


 


Há ainda uma forma mais "básica" de colocar a oração: "te andas a esforçar?". Não sendo exactamente correcta, não deixa de fazer sentido...


 


Peguem lá nos exemplos que dei lá em cima e vejam se conseguem tirar os -te e pô-los noutro lado...


 


"Te fizes o quê?" ou "Fizeste o quê?"


"Te fos onde?" ou "Foste onde?"


"Te disses o quê?" ou "Disseste o quê?"


"Te telefonas ontem?" ou "Telefonaste ontem?"


 


Pois...


 


Mais uma vez, o -te é um pronome, portanto refere-se a alguém. "Chamas-te João" quer dizer que tu tens o nome João - e a frase está no presente do indicativo. "Chamas-te o João" não é nada. A forma correcta é "Chamaste o João", como quem diz que, no passado, aconteceu uma acção.


 


***




Os advérbios de modo NUNCA levam acentos. Ah, e tal, que'ssa merda de um advérbio de modo? Coisas como obviamente, possivelmente, terrivelmente, pessimamente, agradavelmente... são advérbios de modo. Ou seja, são adjectivos na sua forma feminina (ex.: óbvia) a que se junta o sufixo -mente (há outros advérbios de modo, mas não interessam para o caso).


 


Portanto, aqui a regra é super simples: NUNCA há acentos. Fim de história.


 


"Obviamente, demito-te."


"Possivelmente, vamos na quinta-feira."


"Estou terrivelmente aborrecida."


"Sinto-me pessimamente."


"Foi um serão agradavelmente tranquilo."

You Might Also Like

8 comentários

  1. A forma mais básica que usas para explicar o

    "Andaste a correr? Andas-te a esforçar?" foi a que funcionou à primeira com a minha filha. :)



    ResponderEliminar
  2. Serviço público. Once again. Like it a lot :-)

    ResponderEliminar
  3. Gostei muito do post! Está muito bem, e os unicórnios são pérolas (infelizmente) cada vez mais frequentes!
    O que eu me rio contigo mulher!

    ResponderEliminar
  4. Podias fazer um separador com estes posts?
    Ou publicar todos seguidos para eu colecionar? :D
    Ah! E não me venhas dizer que é coleccionar porque eu já adotei o AO!

    ResponderEliminar
  5. Criei a tag "língua afiada" para estes posts.

    E não me meto pelos caminhos do AO... Já me habituei a ler (muitos dos livros que tenho lido já afiam por esse diapasão), mas ainda não me habituei a escrever. E só me rendo quando vier um polícia-da-língua obrigar-me a isso!

    (Nada contra, mas acho estranho... quando me mentalizar é num instante mas, para já, sou pela preservação da coisa original até porque não me faz sentido que a oralidade seja mais valiosa do que a escrita e é esse o fundamento deste AO.)

    ResponderEliminar
  6. Estes teus posts são extremamente úteis. Confesso que as minhas maiores dúvidas surgem na questão do "há" e do "à". É simples bem sei, mas de vez em quando parece que bloqueio, é ridículo. Por isso tudo se escrever com erros por favor peço que me chamem à atenção :)

    ResponderEliminar
  7. Um truque que nunca falha para quem não sabe o que há-de fazer ao "te" é pôr a mesma frase na negativa, se o "te" mudar de sítio é pronome, caso contrário, é o verbo no passado:

    Foste ao teatro? Não foste ao teatro?

    Importas-te que fique? Não te importas que fique?

    ResponderEliminar

Obrigada!

GoodReads Challenge

2020 Reading Challenge

2020 Reading Challenge
Lénia has read 29 books toward their goal of 40 books.
hide

Instagram

Parceria

Subscribe