-->

Páginas

17 maio 2013

Quase-morte

Quarta-feira, com o dia todo organizadinho, resolvo rumar ao Dolce Vita para me instalar por lá a escrever. Gosto de fazer isso de vez em quando: mudar de ares e escrever fora do meu habitat natural. Dei as voltas que tinha para dar, almocei, sentei-me a escrever... e o portátil não liga. Quer dizer, liga e vai-se abaixo no minuto a seguir. O transformador quinou, paz à sua alma. Voltei para casa numa de tentar ver se o problema se resolvia na viagem... Não resolveu (lógico!). Em casa, o transformador estava tão morto como no Dolce Vita. Passo seguinte? Apelar a amigos para ver se alguém tinha lá por casa um transformador que desse vida ao meu Vaio. Só precisava que ele vivesse durante meia hora. Nada, ninguém tinha. Já sabia que ia ter que comprar um transformador, mas precisava de tentar sacar os ficheiros de que precisava (sim, não os tinha na Google Drive nem na Dropbox). Cravei o colega de ginásio informático, que levou um dos transformadores dele para lá. No fim da aula de ontem sentei-me no meio de um corredor onde havia uma tomada e consegui fazer o que queria. Devolvi o transformador, voltei para casa e tentei ressuscitar o portátil da empresa que é de tal forma lento que não o ligava há quase um ano. Consegui. Saquei o software que uso para escrever, inseri a licença, tentei abrir o meu documento... não dá. Tinha que ter dado autorização, no documento original, para edição por mais de uma máquina. Não sabia. Portanto, na mesma como a lesma, tal e qual como antes de ter sacado os ficheiros. À tarde agarrei na infanta, rumei a uma Worten e, quarenta e três euros depois, problema resolvido. Assim que cheguei a casa pus o novo transformador ao serviço, já a ver a minha vidinha a andar para trás. Com a sorte que eu tenho, o transformador é coisa para me provocar um curto circuito que mate de vez o velhinho (yet excelente!) portátil. Não aconteceu. Funciona lindamente. Yay.


 


De caminho, tudo atrasado: crónica semanal no portal do Barrigas e Companhia, textos para a Papel, textos para o blog e o meu mega-texto que, com esta crise, se atrasou mais do que podia. Posto isto... vou recuperar o tempo perdido. Até já!!

1 comentário:

  1. Ao menos não perdeste os ficheiros! Agora... força nisso ;)

    ResponderEliminar

Obrigada!