-->

Páginas

23 setembro 2013

Help!!

Ó mães de crianças em idade escolar, ajudem-me cá numa coisa... PLEASE!


(Uma pessoa acha que está preparada para os acontecimentos e só quando se depara com eles é que vê que realmente está um bocadinho à nora...)


Com esta coisa da miúda na escola, tenho-me debatido com uma dúvida: limito-me a acompanhá-la nos TPC (ajudando, mas não fazendo eu, obviamente) ou vou-lhe incutindo hábitos de estudo?


Até agora, só trouxe TPC uma vez. Fizemo-los juntas e correu bem. Acontece que, logo no primeiro dia de escola, ela veio para casa a dizer que muitos colegas já sabem escrever o nome em letra manuscrita. Ela não sabe (não sabia, melhor dizendo). Pensei, portanto, em ajudá-la. Peguei num caderno que andava aqui perdido e fiz-lhe umas linhas de letras, para ela praticar. Foi assim que, logo nesse dia, aprendeu a fazer o L que dá início ao nome dela. Não insisto ao ponto de haver birra, mas gosto que ela se dedique. Ela já ganhou o hábito de se sentar na secretária quando chega a casa. Ora faz desenhos (adora!), ora trabalha no caderno. Eu vou-lhe dizendo que o que ela está a fazer é estudar e que vai ter que estudar sempre, não é só para os testes, até acabar a escola. Não quero pressionar, mas não quero abandalhar. Ela tem muito potencial e quero encaminhá-la da melhor maneira.
Portanto a pergunta é: em casa, só TPC ou também alguns exercícios/trabalhos consoante o que esteja a aprender?


 


[Muito, muito agradecida desde já!!]

20 comentários:

  1. Eu, regra geral, só lhes peço que façam os tpc.
    Para além disso, a única coisa que faço é, caso veja alguma dificuldade, insistir um pouco nesse aspecto em particular. Por exemplo, se dão erros de português a escrever uma composição/exercício pedido, faço-os repetir uma linha de cada palavra que escreveram mal (as palavras difíceis, como se costuma dizer). A professora não pede, mas eu faço. Porque acho importante. O meu filho, no 4º ano, dá erros de arrepiar...so...
    E não estou ao pé deles quando fazem os trabalhos. Ou vêm ter comigo, para alguma explicação ou pergunta, ou então vejo só no fim e corrijo com eles o que está mal.
    Mas tu verás qual a melhor forma, como é que ela corresponde. Os meus, se eu apertar muito com eles, desmotivam e cansam-se. Tens de a conhecer. :)

    ResponderEliminar
  2. Olá,
    Por aqui, apesar de não ter filhos, posso falar do que fazemos com o meu irmão, que tem 8 anos.
    Durante a semana limita-se a fazer os trabalhos de casa, mas ao fim de semana tentamos sempre fazer uma revisão do que foi dado na semana anterior. Ele estuda um bocadinho e faz uns exercicios dados por nós.
    O mesmo se aplica nas férias. Geralmente tem 1h de estudo por dia. Primeiro acaba os livros e depois vai estudando e fazendo exercicios dados por nós.
    Está neste momento no 3.º ano e posso dizer que esta estratégia tem resultado.

    ResponderEliminar
  3. Se o professor não manda TPC não me preocupo muito com isso mas se sei que eles estão a ter dificuldades em alguma matéria fazemos alguns exercícios. Ensinar coisas que ainda não aprenderam na escola...nunca!

    ResponderEliminar
  4. depende da criança, não há verdades absolutas e cada mãe tem um instinto que não falha! No caso da minha filha, nem precisei de acompanhar, ela senta-se, faz os trabalhos e, se tem alguma dúvida, pergunta. É organizada e metódica. O rapaz já é mais preguiçoso, mas não me sento com ele a fazer os trabalhos, acho que eles têm de se desenrascar e não podem estar à espera da nossa ajuda. Nunca ensinei nada em casa, mas quando era miúdo, como a professora se queixava da caligrafia, passava-lhe umas cópias (e isto também ajudou a criar o hábito de ter todos os dias um trabalho e a estar concentrado). Se vires que ela é metódica e responsável, não te preocupes, se achares que tem mais dificuldade em se concentrar (como o meu), arranja uma tarefa diária.

    ResponderEliminar
  5. Olá. Vim cá parar por acaso e revi-me nas suas dúvidas. Tenho uma filha no sexto ano (já!) e o método que utilizo desde sempre é simples: TPC com ela, sobretudo de matemática, todos os dias. De vez em quando (ao fim de semana, por exemplo) trabalhos extra que eu arranjo na net. Mas nada de exageros, seria uma espécie de teste escrito com umas 10 perguntas e mais nada. Eles precisam de descansar, brincar, fazer nenhum mas também precisam de acompanhamento e, apesar de reclamarem, ficam contentes com a atenção extra.

    ResponderEliminar
  6. Aqui em casa, só tpc. A menos que o professor me diga que deve trabalhar alguma coisa específica para ajudar. Eles já passam muitas horas na escola e brincam pouco (comparativamente ao que eu brincava na idade dele)...

    Tem é que ler um mínimo de 20 minutos todos os dias (acaba sempre por ultrapassar por muito)...

    ResponderEliminar
  7. O meu filho entrou este ano para o primeiro ano.
    Ele faz os trabalhos de casa na escola, em ambiente de sala de estudo e depois traz para casa, sempre alguma coisa adicional para fazer, como escrever o nome dele ou aprender a atar os sapatos.
    Alem do que ele traz para casa, que faz sozinho, na secretaria dele, mal chega a casa, eu peço para ele fazer mais alguma coisa, normalmente igual ao que traz da escola, num caderno que tem em casa.
    Ou seja, se traz da escola, para escrever 2 vezes o nome, acaba por escrever 4, 2 no caderno da escola e mais duas no caderno de casa.
    Estou no quarto com ele (nos primeiros dias, o tempo todo, agora já nem tanto, ou seja, vou entrando e saindo, para ele se ir habituando a estar sozinho e calmo), mas não estou a ver o que ele esta a fazer, apenas vejo no final.
    Já aconteceu ele levar coisas mal feitas para a escola, porque eu disse para ele corrigir e ele corrigiu mal.... eu sabia, mas foi assim, para a professora se aperceber das dificuldades dele e ajudar :)
    O que tento incutir é a vontade de aprender e o saber estudar sozinho. Claro que estarei sempre por perto para ajudar em qualquer duvida, mas ele tem de aprender a pensar :)

    ResponderEliminar
  8. Olá,
    No caso da minha filha (agora no 2.º ano) os tpc já eram tantos que durante a semana não dava para "estudo extra".
    Felizmente, a minha filha é boa aluna mas, se notava dificuldade em alguma matéria, tentava ajudar de forma menos formal com exemplos do dia a dia (na matemática é possível fazê-los racicionar sem caneta e papel).
    No início também me sentava ao lado dela e fazíamos os tpc juntas, isto é, eu lia o exercício e explicava o que havia a fazer e ela ia fazendo e tirando dúvidas. Gradualmente fui acompanhando cada vez menos até chegar à fase de só tirar dúvidas e corrigir depois de ela os fazer.
    O 1.º ano é uma adaptação para eles e para nós. É uma mudança grande e exigente mas é um orgulho vê-los conseguir ler e escrever, perceber o valor do dinheiro, a lógica do pagar e receber troco, são pequenas grandes conquistas.
    Boa sorte e um bom ano!

    ResponderEliminar
  9. Olá!
    O Henrique por exemplo só costuma trazer TPC ao fim de semana, mas durante a semana, um dia ou outro faço alguns exercícios com ele, sobre a matéria que está a dar na escola, não o faço todos os dias porque também precisam desanuviar a cabeça da escola hehehe. Beijinhos ***

    Vanessa Caires

    ResponderEliminar
  10. a minha só faz tpcs e n se tem dado mal, as notas variam entre os98% e os 100%

    ResponderEliminar
  11. Sou terapeuta da fala, o meu comentário (e ajuda) vale o que vale e se considerar errado, não precisa aceitar :) na minha opinião, há muitas crianças que aprendem no pré-escolar a escrever o nome delas em letra manuscrita. Nada contra, nem nada a favor, não é algo que tire o sono aos professores, crianças e pais. A sua filha vai aprender a escrever como os colegas, não necessita sentir "inferioridade" (ou qualquer outro sentimento) por colegas saberem e ela não. Diga-lhe que terá tempo, que a professora vai ensinar a escrever e que ela vai saber escrever tudo o que quiser. Acaso queira, não vejo inconveniente em ensinar o nome agora.
    Na minha ótica, ela deve fazer os trabalhos de casa quando chega a casa (incutir hábitos de estudo), mas depois deve ir brincar. Atividades consoante o que aprende são boas em tempo de férias de verão, que ajuda a consolidar o que aprendeu.

    ResponderEliminar
  12. Bom dia,
    Eu não tenho filhos mas sou explicadora, acho muito bem acompanhar nos TPC e fazer exercícios sem ser os pedidos pelo professor, não há mal nenhum e vai incutindo hábitos de estudo que enquanto são pequenos é muito mais fácil de o fazer do que depois quando mais crescidos.
    Nestes anos em qeu vou acompanhando os "meus meninos", aquilo que vejo sempre como principal dificuldade deles, é o método de estudo, é o saber estudar, por isso acho fundamental que haja acompanhamento dos pais para além dos TPC :)

    ResponderEliminar
  13. No 1º ano eu ajudava nos TPCs (porque eles ainda não sabiam ler) e às vezes, nem sempre, punha-os a fazer mais qualquer coisa, a não ser que os TPCs fossem muitos... Agora, um no 2º e outro no 3º, vão para um centro de estudo das 16 às 18h onde fazem os TPCs e depois fazem mais umas fichas. Lá fazem os trabalhos sozinhos e o professor ajuda se tiverem dúvidas e corrige (como se fosse na escola).

    ResponderEliminar
  14. olá minha querida, em primeiríssimo lugar: relaxe!!!
    o facto de ela ainda não saber escrever o nome pode funcionar como uma mais-valia. a maioria das educadoras de infância em pré-escolar fazem introdução ao domínio da escrita, daí as coleguinhas saberem fazer o nome. outras, preferem explorar outro tipo de conhecimentos. o que faz com que, aquando da entrada no 1º ciclo, umas crianças estejam mais despertas para umas áreas e outras para outras.
    neste momento a sua filha é tábua-rasa onde a professora poderá escrever o que quiser. o que é muito bom.
    quanto ao estudo acompanhado, considero-o importante, por diversos fatores: nesta idade ainda não perceberam a importância de permanecerem sentados durante uma atividade dirigida, porque através dele a mãe vai percebendo a dinâmica da sala de aula, os vossos laços saem estreitados,... no entanto deverá ser comedido: evite ensiná-la, deixe essa tarefa para a professora, não force, crie incentivos e reforços positivos (aprender a brincar é o melhor método).
    se precisar de alguma coisa... diga! afinal' tanto ano a virar frangos' deve ser partilhado!
    Beijinho:)

    ResponderEliminar
  15. Obrigada!!
    Ela sabe escrever já há muito tempo (a partir dos 3 anos começou a querer aprender e fomos dando resposta ao que ela pedia). Não sabe ler, mas, quando quer escrever uma palavra, pede que lha soletremos e escreve. O que ela ainda não sabia fazer era a letra manuscrita (eu sou uma lírica e continuo a achar que mais valia ensinar-se só a "letra de máquina", como fazem os nórdicos - que depois acabam com caligrafias perfeitamente legíveis em vez das gatafunhadas que se vêem por cá -, mas adiante).
    Ela quer muito aprender, mas também quer muito brincar e desconcentra-se facilmente. Por isso é que tenho tentado que ela perceba que o recreio agora é só duas vezes ao dia e que há alturas em que tem que estar sossegada e com atenção... Com calma a coisa vai... Acho eu!

    ResponderEliminar
  16. Normalmente os TPC são "O" estudo dos miudos, segundo os professores primários que conheço (e tenho na familia), portanto nao deve valer a pena insistir no estudo para além do que já é feito nos TPC.
    Não tem problema ela ainda nao saber escrever o nome, eu nunca fui para a pré-primária (ia para os avós) e não sabia uma unica letra, sequer, e acabei por aprender a ler ainda mais depressa que os meus colegas que ja escreviam o nome e, inclusivamente, ja sabiam o alfabeto.
    Como ainda aluna e pessoa que se lembra bem demais da primária, a melhor opinião que te posso dar é que não insistas com a miuda com exercicios extra TPC a nao ser que ela queira - tudo o que eu estudei obrigada acabei por detestar (apesar de sempre ter adorado estudar e nunca ter tirado nenhuma negativa na minha existencia), desde as contas de dividir (a minha avó obrigava-me a fazer contas extra depois dos TPC - moral da história: nunca as consegui aprender, e ainda hoje sonho com as malditas!) ao inglês, o que foi uma pena.
    Vai correr bem, todo o potencial que ela tem vai-se mostrar com o tempo, espontaneamente :)

    ResponderEliminar
  17. Penso que os tpc são, em si, uma revisão do que se aprendeu na sala de aula; a questão que se põe é, o professor manda trabalhos para casa diariamente e, se sim, qual a quantidade dos mesmos; caso contrário, como acontece em algumas escolas, onde os tpcs simplesmente não existem ou são reservados apenas para os fins de semana, convém - na minha opinião - preparar uns (poucos) exercícios sobre a matéria dada no próprio dia, a fim de cimentar os conhecimentos adquiridos (ou ainda não).
    Se a criança conseguir reproduzir em casa o que é esperado de si na escola, estará a fazer uma boa aprendizagem das temáticas; se não, como mãe e primeira educadora, deverá ajudar a filha, corrigindo, enquanto explica, o exercício, e elaborar outros semelhantes que lhe permitam compreender como lhes dar resposta. Deverá ter sempre o cuidado de deixar a criança tentar solucionar os problemas sozinha, intervindo apenas no final para confirmar se aqueles estão correctos ou, se necessário, reiniciar o processo.
    Caso a criança não consiga apreender a matéria, depois de explicada em casa, deverá comunicar esse facto ao professor para que, tão cedo quanto possível, reforce a temática nas suas aulas.
    Para além disto, é importante criar bons hábitos de estudo, onde devem ser promovidos o gosto pela leitura e aprendizagem em geral, e elogiados o esforço e o progresso pelo estudo continuado.

    ResponderEliminar
  18. A tua filha está no 1º ano...bem assim como os filhos das comentadoras (primária)... O que leio é assustador!!
    TANTAS horas na escola e ainda acham natural TPC e, às tantas, mais exercícios?

    Os miúdos portugueses passam imensas horas na escola...
    E há bastantes estudos que demonstram que os TPC não são necessários, quer em termos de comparação com o desempenho futuro do aluno, quer com consolidar um método de estudo (valem o q valem, mas ponham o olho na finlândia- melhor país europeu nos testes PISA, nada de TPC pra crianças tão pequenas, pouquíssimos testes/exames ao longo de todo o ensino).

    Sei que sou suspeita, a minha filha está em ED, e uma das razões é precisamente a fuga aos TPC e à aprendizagem 'condicionada' pq o professor é que sabe, blablabla.
    A garota aprendeu a escrever e a ler sozinha, e obviamente que não lhe viro costas e a deixo sem respostas, caso as tenha, só pq eventualmente teria de ter o aval de um professor, ou coisa que o valha...
    Mas poucas vezes tenho de responder- os miúdos, deixados em paz e com os adultos próximos (pais, etc) a modelar o comportamento, desenrascam-se muito bem sem ser preciso ninguém 'mandar' neles ou intrometer-se demasiado na sua aprendizagem natural... afinal, nada melhor do que eles poderem ter o prazer de descobrir sozinhos certas (muitas!) coisas, sem ninguém a estragar o prazer da sua descoberta. Ou pior, a dar-lhes a papa já feita e triturada...


    Viva a educação livre, viva a liberdade de ser criança!!

    Desculpa o testemunho, mas a sério que me afligi com tanta mãe a favor dos TPC!

    Catarina

    ResponderEliminar
  19. Catarina, não sou contra os TPC. Sou contra o exagero de TPC, todos os dias, a toda a hora, imensa coisa para fazer em casa. A realidade a que tenho assistido não é essa. A minha filha trouxe TPC umas 4 vezes, desde que começou o ano. Não acho exagerado, até porque são coisas muitos simples (copiar o nome, fazer duas filas de i minúsculos, coisas deste género). Não me passaria pela cabeça ver a miúda esgotada e insistir com ela para fazer exercícios passados por mim, só porque sim. O tal caderninho de exercícios que lhe dei ainda só tem as três primeiras letras do nome dela feitas...

    Acho que os miúdos precisam de brincar, de conviver com os irmãos, etc., mas também acho que precisam de aprender a concentrar-se e a estudar. A técnica de deixar os miúdos em paz para aprenderem sozinhos e fazerem as suas coisas sozinhos, cá em casa, daria origem a uma espécie de invasão bárbara - a miúda adora desarrumar, é distraída e desconcentra-se com facilidade de quase tudo (a televisão, por exemplo, tem sempre 100% da atenção dela...).

    ResponderEliminar
  20. Temos de concordar em discordar ;)

    (compreendo a parte dos ecrãs- embora cá em casa não haja tv! e os outros são racionados...)

    ResponderEliminar

Obrigada!