-->

Páginas

12 novembro 2013

Aprender a aceitar

Ontem, assim que acordei decidi que era dia de batom vermelho. Ia vestir-me de cinzento escuro e achei que ficava ali bem um splash de cor. Foi o que fiz. Pus foto no Instagram e no Facebook, como faço sempre que o bendito batom vermelho vê a luz do dia. Fui recebendo comentários simpáticos, em tom de elogio. E para todos arranjei contestação. "És gira", "não sou nada, isto é da maquilhagem". Depois fiquei a pensar. Por que raio é que eu não consigo aceitar um elogio? Por que raio não me limito a agradecer e tenho sempre que desconstruir o que quer que seja que me digam de positivo acerca de mim? Baixa auto-estima? Não acho. Modéstia? Também não.


Acho que estou formatada para o negativo. Talvez por sempre ter tido uma noção demasiado clara daquilo que sou, nunca me permiti olhar para mim como sendo uma mulher bonita. Na minha cabeça não o sou. E sempre que alguém me diz que sim lá vou eu contradizer e argumentar e ser chata nas horas. Podia mesmo limitar-me a agradecer, não é? Mesmo não concordando com o que me dizem, podia calar-me e seguir viagem.


Sou só eu que sou assim? Ou há desse lado mais gente a "padecer do mesmo mal"? Como é que isto se cura? Como é que nos auto-educamos no sentido de aceitar o que temos de bom, de ver em nós pontos positivos em vez de apenas negativos? Que espécie de exercício podemos fazer para chegar ao ponto de aceitar o que somos, mas não de nos pormos num patamar irreal de divindades do Olimpo? É complicado, para mim, encontrar um ponto de equilíbrio e não ser nem demasiado negativa, nem demasiado positiva, mas apenas realista em relação a mim mesma. 


 


[Isto não tem nada que ver com capacidades intelectuais, que não são o que está em causa aqui. Estou a falar somente da imagem que temos de nós mesmas.]


 

17 comentários:

  1. Acho que todas temos um bocado essa tendência, umas mais do que as outras...É quase como se achássemos que não merecemos o elogio...
    Olha para ti e percebe que se gostas de ti e do que vês nada impede que os outros também gostem do que mostras... e que te digam isso mesmo! Para a próxima agradece e não respondas. Vais ver como é uma questão de hábito!:)

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Na muche, gostava que assim não fosse, aceitar o elogio e seguir em frente, não ficar envergonhada e a achar que não é realista, eu gostava de gostar de mim, da minha imagem, de me aceitar como sou, não é fácil mas também acredito que não é impossível.
    Se descobrires a fórmula, partilha, fico eternamente agradecida.

    ResponderEliminar
  3. Fizeste-me recordar do vídeo do anúncio da Dove.
    A imagem que temos de nós próprios é sempre muito pior da que os outros fazem de nós.

    Provavelmente já conheces, mas aqui fica o link:
    http://www.publico.pt/tecnologia/noticia/anuncio-da-dove-sobre-beleza-feminina-tornase-o-mais-visto-no-youtube-1595002

    beijinho

    ResponderEliminar
  4. Sou igual... :) mas sinto que, com os anos, tenho vindo a melhorar e a aprender a gostar de mim.

    ResponderEliminar
  5. Nem a propósito ter lido este teu post depois de um elogio que me fizeram hoje à tarde. É que fiquei mesmo mesmo a pensar na nossa incapacidade de agradecer e ficar felizes por aquilo que nos dizem!

    Beijos*

    ResponderEliminar
  6. Não, não és só tu. Se conseguires arranjar forma de dar a volta a esse negativismo, ensina-me como se faz!

    ResponderEliminar
  7. É simples... e não tens de andar a fazer exercícios de equilíbrio. Porque é que para pensar no negativo não nos importamos de roçar e ultrapassar o real e quando é para o positivo já estamos muito preocupadas com passar a linha do admissível? És gira! ponto final. És muita gira! E és a mais gira de todas para muita gente (para mm ;)). E se não fores mesmo a mais gira? quem é que te vem passar uma multa por achares que és a mais gira? A quem é que estás a fazer mal por achares que és a mais gira? Portanto deixa de te preocupares com o nível de linda que és, se estás a ser modesta ou exagerada. Não existe um tribunal para isso, e não estamos em nenhum concurso ;). Aquilo que aprendi nos últimos tempos é só isto.... começa a olhar para ti com amor. a sentir pela tua imagem ao espelho, aquilo que se sente por alguém por quem estamos apaixonadas... respeito pelo que conseguiste com o teu corpo, aceitação pelas rugas e cabelos brancos, paixão por aquela característica que é só nossa, amor pelo nosso corpo saudável... o resto vai crescer com isso... como crescem os sentimentos. I promiss.

    (estou uma poetisa lamechas hoje ;))

    beijo, miúda gira

    ResponderEliminar
  8. Olha, comigo foram os 45 anos. Sinceramente, dou de barato o meu pneu, 'bóia de salvação' que dispenso, e mais a gelatina e o acolchoado que se passeia pelas minhas coxas, barriga... mas se isso me impede de ver mais além? Não.
    Cuido de mim? Pouco, mas esse pouco é com carinho. Não tenho regras, disciplina a nível do zero, por aí. Mas gosto de mim, gosto do reflexo do espelho, mesmo quando o nº na etiqueta do que tenho vestido não corresponde ao idealizado - e prefiro sempre comprar roupa feita com tecidos com elasticidade.
    Autoestima? Hmmm, nesse departamento estamos (mesmo) mal. Falta um je ne sais quoi grande para me inflamar a mesma, e de arrasto, a paixão de viver. Não ando no meu melhor, já terei estado pior, são dias, alturas, momentos. Às vezes um hiato de tempo maior, mas leva-se.
    Mas não me custa aceitar um elogio, embora ainda não tenha conseguido segurar o obrigado automático que sai de sopetão antes de o conseguir segurar.
    És com toda a certeza bonita, os outros não estão todos enganados ou todos a precisar de óculos. Relaxa.
    (já agora, enviei-te um pedido de amizade. Quanto mais não seja, para te atazanar o juízo e dizer que és bonita :) )

    ResponderEliminar
  9. Mais uma com essa tendência por aqui. Advem de, ao longo do crescimento, serem mais as críticas, o fazerem-me sentir que não era perfeita e que o devia ser. Depois comecei a perceber que não sou perfeita realmente, mas que nunca o serei, embora possa sempre tentar superar-me. Comecei a gostar mais de mim. Mas manteve-se a exigência comigo própria. Portanto quando vinha o elogio, soava-me a algo estranho, a uma mentira... Reparei que já tinha interiorizado as tais críticas e que isso só me fazia mal. Agora, embora ainda com alguma estranheza, ouço o elogio, agradeço e sinto-me feliz por aquele alguém ter achado que eu merecia ouvir as palavras simpáticas. Não fico a achar que sou a maior, porque a minha auto-crítica acaba por não deixar, mas também porque penso que tal como há gente a gostar, há sempre quem não goste e vice-versa. E é isso que equilibra o mundo! ;)

    ResponderEliminar
  10. Como tu conseguiste por em palavras o que eu sinto e sempre senti.

    Claro que ser sempre desde miúda "caixa de óculos", "Olivia Palito", etc não ajuda em nada.

    ResponderEliminar
  11. Pelo que dá para ver pelos comentários, há muita gente que tem dificuldade em lidar com os elogios... Eu não sou excepção...
    Não me consigo ver como uma pessoa bonita nem atraente e tenho sempre de contestar quando me fazem um elogio no sentido de salientar este lado que o espelho não me mostra...
    Enfim, deve ser do fado ou coisa que o valha... mas, tal como no fado, já se começam a aceitar novas "tendências", novas "nuances", um pouco mais de alegria naquilo que era o fado tradicional...
    Qualquer dia, já somos mais positivos e mais aptos a aceitar e agradecer quando nos fazem um elogio ;)

    ResponderEliminar
  12. O importante é gostarmos de nós.
    Quando me dizem "estás gira" costumo rir e responder "não estou, sou!" ou simplesmente "eu sei". Não sou nenhuma deusa grega ou a mais bonita lá do bairro mas gosto de mim assim como sou.
    E acho que é uma coisa que vem de dentro. Às vezes vejo fotografias minhas e penso que me sentia melhor do que estava na realidade.
    E nem todos gostamos das mesmas coisas. Para algumas pessoas, olhos azuis são lindos. Para outros são feios. Para uns, mulheres de peitos grandes é que são sexys e bonitas, para outros só as mulheres de peitos pequenos são bonitas e sexys.
    O importante é gostarmos de nós assim como somos.
    E acho que parte tudo da auto-estima.

    ResponderEliminar
  13. Se nos desvalorizamos, todos acreditam que somos exactamente como afirmamos.
    Se nos valorizamos, pensam que estamos a exagerar e ninguém acredita no que dizemos.
    Creio que o mesmo se aplica ao elogio. Nunca é tido como certo, enquanto que uma crítica mordaz e destrutiva é encarada muitas vezes como inevitável e adequada.
    Às vezes penso que o melhor é mesmo estar calada e quieta em relação a estes casos. Nunca encontramos o equilíbrio certo.

    ResponderEliminar
  14. Confesso que ultimamente tenho gostado de ver aquilo que vejo no espelho. Tenho gostado de certos pormenores, perco sempre mais um tempinho a olhar para o meu reflexo, só para contemplar esta minha paixão por mim mesma :p
    Lembro-me que há coisa de uns meses, um trabalho de uma disciplina, que implicava a concretização de um auto-retrato, me deu particularmente trabalho, não só pelo facto de não ser propriamente uma artista, mas porque aquele desenho representava a forma como me via. Acabei por receber um elogio de um colega "Desenhaste-te muito bonita!", não sabendo se ele estava a falar ou não exclusivamente do desenho, talvez por o achar demasiado bonito para a minha pessoa, mas também não me importei. Eu, de facto, tinha-me desenhado bastante bonita e, independentemente do desenho ser ou não realista, percebi nessa altura que é importante confiarmos na pessoa que somos, quer fisica quer psicologicamente.
    Eu até engordei uns quilinhos e nem esses quilos noto, veja lá! Não sei onde os meti, normalmente ficam sempre em sítios visíveis, eheh :p

    Enfim, terei que concordar consigo. É importante sabermos reconhecer um elogio, sabermos que o merecemos. E ainda mais importante é sabermo-nos elogiar e aceitar o nosso próprio elogio :)
    Agradeço o texto inspirador. Vai já para a minha lista de favoritos :p
    Beijinhos!

    ResponderEliminar
  15. Concordo plenamente com o que diz a Petrolina. Acho que, mesmo não te considerando uma mulher bonita, se te aceitares como és e te sentires bem com isso, essa pessoa que tu vês também vai ser apreciada por outros. Há aquelas belezas que não são convencionais, e que não são consensuais, mas ainda assim há sempre quem ache bom, bonito, ou seja o que for. Deixares que te elogiem sem tentares rebater com qualquer justificação que tu tenhas como certa na tua cabeça é só mais um passo para a aceitação. Não de ti própria, mas a aceitação de que há quem te ache bonita. Com ou sem batom vermelho. Porque os olhos com que te vêem não são os mesmos com que te vês.

    ResponderEliminar
  16. Acho que somo quase todas assim, já fui mais mas volta e meia continuo a faze-lo (e muito), principalmente cara a cara.
    Beijinhoo
    blognita.blogs.sapo.pt/

    ResponderEliminar
  17. Não sei se todos temos um pouco disso ou não... Mas eu sou assim! Mas também sei porque o faço, porque sou feio óbvio ( não nada disso...) sei e entendo todas as coisas que passei... E por tantas vezes me repetirem: " tens uma cara linda, mas tens que arranjar outro corpo"... Baixa auto-estima? Claro que não... Tenho um amor próprio que supera tudo e todos.... Na verdade, acho que me protejo de possíveis e eventuais mentiras quedam tecer acerca de mim! Não quero criar ilusões!

    ResponderEliminar

Obrigada!