-->

Páginas

19 novembro 2013

Guerras

Às vezes quero ser melhor. Outra vezes não me importo, não me avalio, solto-me e não penso nisso. Mas, regra geral, quero ser melhor. Não quero ser melhor do que ninguém - quero ser melhor do que sou. Quero, amanhã, ser melhor do que sou hoje. Quero superar-me. Aprender.


Sou muito exigente comigo. Nunca nada é suficiente. Não sou ambiciosa, mas sou exigente comigo, o que às vezes me parece um contrasenso. Vivo numa angústia constante. O medo de falhar, de não ser capaz de não estar à altura. Ninguém exige nada de mim, só mesmo eu. Eu sou a minha pior inimiga e sei disso. Devia descontrair mais, exigir menos, contentar-me com o que sou, lutar por ser melhor mas não me angustiar com as derrotas, com as demoras, com os passos que dou para trás. Não é fácil chegar a este equilíbrio. Mas gosto de saber que, se sou assim, é apenas porque não me contento com o que "aparece" e corro atrás do que quero. Apesar do cansaço e de todos os "se" que vão aparecendo. Este caminho é meu e só eu posso escolher que passos dou.

4 comentários:

  1. Percebo perfeitamente. Também sou assim. Por vezes é algo negativo porque nós próprias nos deitamos a baixo, mas pelo lado positivo, também somos nós mesmas que nos incutimos a vontade de ser melhor :)

    Bjs

    Floripa Alentejana

    http://floripaalentejana.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  2. Conheço tão bem essa sensação. Mas às vezes também agradecia um bocadinho de paz de espírito. A capacidade de viver, simplesmente, sem estar sempre a inventar.

    ResponderEliminar
  3. Estes teus posts dão-me cada murro no estômago. Este parágrafo ("Sou muito exigente comigo. Nunca nada é suficiente. Não sou ambiciosa, mas sou exigente comigo, o que às vezes me parece um contrasenso. Vivo numa angústia constante. O medo de falhar, de não ser capaz de não estar à altura. (...) Eu sou a minha pior inimiga e sei disso.") podia ter sido eu a escrevê-lo, se escrevesse bem como tu. Há uns anitos que vivo angustiada e muitas vezes triste, porque me perdi neste lugar. Quero encontrar novamente o tal caminho, aquele que leva ao tal equilíbrio. Mas ajuda-me sempre um pouco ler que há pessoas que passam, à sua maneira, por trechos de percurso algo semelhantes ao que vivo. Conforta-me sempre um bocadinho, e abre-me os olhos para os (bons) exemplos.

    ResponderEliminar
  4. Penso coisas semelhantes muitas vezes. Quero ser melhor, quero evoluir, quero crescer. Não por nada, nem por ninguém. Apenas por mim, para mim. Claro que neste processo é necessário ir controlando as expectativas e manias idiotas de perfeição, pois só servem para estragar momentos (que podem até não ser perfeitos, mas são muito bons)

    ResponderEliminar

Obrigada!