-->

Páginas

03 janeiro 2014

Frente & Verso - Ano Novo

Verso - O (re) início da Margarida


 


Eu não faço resoluções de Ano Novo. Nunca tive por hábito fazê-lo e, sinceramente, não me faz muito sentido. Aliás, este ano, o primeiro que passámos casados, quando passei no escritório, dei por mim a sorrir ao ver a folha das resoluções do João. A sorrir de compreensão mas a pensar, na hora, “realmente isto não é para mim”.

Eu não sou uma pessoa de planos a longo prazo. Nem a médio, na verdade. É-me muito difícil fazê-los, embora gostasse de ser capaz. Mas sou demasiado impaciente para isso. Demasiado enérgica. Quando faço uma resolução começo a cumpri-la e ela tem que estar terminada entretanto. O que é uma pena, porque acho que fixar objectivos a longo prazo nos ajuda a focar no que realmente queremos. Mas comigo não dá…Eu funciono, por norma, da seguinte forma: sei o que quero. Sei mais ou menos de que preciso para as conseguir. E depois faço por isso. Sem grandes resoluções. Sem grande pressão. Porque fui aprendendo que a pressão não me ajuda.



E vou fazendo isso ao longo do ano, quando vou sentindo necessidade, e não no dia 31 de Dezembro. Geralmente essa é a altura em que aproveito para pensar sobre tudo o que aconteceu e para agradecer o que a vida me trouxe. Claro que, como em qualquer aniversário ou ocasião
especial, tenho desejos que gostaria de ver realizados. Mas nos últimos anos têm sido sempre os mesmos: serenidade, sorrisos e força. O resto vem por acréscimo. Com trabalho e com dedicação. E isso não são resoluções que se possam fazer no ano novo. São resoluções que tenho de cumprir todos os dias, no matter what.

Acho curioso que as pessoas façam listas. Que se comprometam com algo. Que acreditem que o dia 1 de Janeiro vai mudar algo nas suas vidas e que vão conseguir fazer coisas que até ali não foram capazes de fazer. Acho mesmo. Mas eu não sou assim. Comigo não funciona. Mas fico verdadeiramente feliz com quem as consegue cumprir. Porque eu não conseguiria. Por isso peço apenas força para que consiga ir fazendo e cumprindo as pequenas resoluções do meu ano. Até agora tem resultado. Mas sabe Deus o que me traz este 2014!


 


[As minhas resoluções de Ano Novo, aqui.]


 

1 comentário:

  1. fazer listas eu faço-as quando me lembro, ou seja sempre, porque me ajuda a organizar, pela primeira vez comprometi-me a fazer 1 por mês no início, sem compromissos, apenas para organização mental... e agora é ver!

    ResponderEliminar

Obrigada!