-->

Páginas

10 abril 2014

Sempre ele: o medo

Acho que já disse isto aqui: a minha vida deu uma volta no dia em que aprendi a fazer do medo um poderoso combustível. O medo tolhia-me, gelava-me, fazia com que ficasse num canto, sossegada, à espera que passasse. Depois percebi que podia fazer dele uma arma. A meu favor.

Continuo a ter medo. De falhar, de não ser capaz, de ter que voltar atrás, de desistir. Mas em vez de me deixar travar por isso, aproveito este medo para andar em frente. Se tenho medo de falhar, luto para que esse falhanço não aconteça. Se tenho medo de voltar atrás, passo a olhar só em frente. Se tenho medo de desistir obrigo-me a continuar. E venço o medo, os medos todos, sempre. Venci o medo dos 5km, venci o medo dos 8km, venci o medo de correr sem pausas. Venci o medo da comida, da inércia, da preguiça. Venci a minha pior inimiga: venci-me. Continuo a ter medo. Mas uso-o a meu favor, para me provar a mim mesma que sou capaz. Que, se eu acreditar em mim, consigo tudo. E consigo mesmo. Vejo isso em mim, ao espelho, todos os dias. Vaidade? Não. Aprender a aceitar quem somos, mas recusar ficar como estamos, se não estamos bem connosco. Hoje aceito as minhas falhas, mas luto todos os dias contra elas, para as eliminar. Devagarinho, vou conseguindo. Não quero deixar de ter medo de nada, não é disso que se trata. Quero é ter sempre a capacidade de inverter o jogo e de me apoiar no medo para avançar. Como se fosse uma mola que me faz dar saltos muito altos: com o chão longe dos pés, mas com a certeza de que, no final, vou chegar muito mais longe.

Se eu estivesse numa daquelas conferências tipo TEDx, seria isto que vos diria: que o medo pode ser o nosso melhor amigo. Basta que o usemos em nosso proveito e que façamos dele um aliado. Basta que percebamos que ele é como alguns alimentos: sabe mal, mas faz tão bem. Se são como eu e vivem reféns do mesmo, experimentem isto. Experimentem deixar que seja o medo a impulsionar-vos, a fazer-vos seguir em frente. Quanto mais não seja para provarem a vocês mesmos que são capazes de dar cabo dessa bestinha chata que é o medo.

[Um exercício simples é precisamente colocarem-se diante de um medo que tenham. No meu caso, era aquela coisa parva de correr 5km. Pode ser outra coisa qualquer. Ponham-se à prova, desafiem-se, obriguem-se a acreditar em vocês mesmos. E depois contem-me como foi!]

3 comentários:

  1. Hoje, era mesmo isto. Obrigada.
    Beijoooo

    ResponderEliminar
  2. Como foi bom ler.
    É isto tudo: assm se resume o meu eu nesta fase da minha Vida.
    Tenho que partilhar.
    :*

    ResponderEliminar
  3. Também sofro disso.

    O medo é um sacana

    Patrícia A.

    ResponderEliminar

Obrigada!