-->

Páginas

07 janeiro 2015

Dura

Há bocado, num comentário, a Hermione pôs-me a pensar. Diz ela que os meus posts são de uma "dureza" incrível. Fiquei a ruminar o assunto.

Não acho que os meus posts sejam duros. Reais, sim. Não minto. Não vos dou cinema se o que temos é reality show. Não emboneco as coisas. Não faço questão de esconder os problemas. Obviamente, não falo de tudo porque há coisas que são de uma esfera realmente privada que não quero perder apenas porque vivemos na era da partilha (quase) total.

Sempre fui muito realista. Sou muito exigente comigo. Não é querer ser perfeita. É apenas não me permitir falhar. Isto não é bom, embora possa parecer. Sou a minha maior crítica. Tudo o que os outros possam pensar de mim, esqueçam, eu já pensei antes. Sou a primeira a rir-me de mim, a gozar comigo e a apontar-me as falhas. Autocrítica, noção do Eu, o que for. Eu sou assim.

E não tenho filtros. Aquilo de que não falo não falo e pronto. Aquilo de que falo chega aqui exactamente como é. Talvez seja por isso que perdi tantos leitores nos últimos anos (lembro-me que, antes de passar o blog para o Sapo, tinha cerca de 1500/dia; agora anda nos 300/dia, nos dias bons). Não quero saber. Não tenho um conta-leitores que me obrigue a escrever para agradar, para cativar, para ter cá muita gente. Claro que gosto que me leiam - ou teria um blog privado ou, mais simples ainda, um documento Word. Mas o que escrevo não é o bonitinho de que toda a gente gosta. É a minha realidade. Desinteressante para uns, para outros não tanto.

Já se sabe: sou feliz a escrever ficção. Mas o que escrevo aqui está muito longe disso (a não ser, obviamente, que publique um ou outro conto, mas isso está devidamente assinalado e percebe-se logo). Aqui, o que há é uma vida real. Sempre. Dura, às vezes. Sem arabescos, sem efeitos, sem filtros. Porque, no fundo, mais do que para vocês, escrevo para mim. E não quero, daqui a 20 anos, vir aqui reler uma história que não é a minha. Este blog, como todos os outros que tive (e que, juntos, fazem um só), é apenas e só o meu diário. Nem mais, nem menos. Só isso. Uma vida. A minha.

4 comentários:

  1. E é precisamente aperceber-me dessa realidade dos teus posts que me faz gostar de vir cá. Para mim, a blogosfera não se faz de blogs comerciais, glamorosos e superficiais, mas sim de blogs autênticos, de pessoas reais, ainda que isso acarrete tristexas no meio das alegrias, dureza no meio dos sucessos. Um beijinho

    ResponderEliminar
  2. Noto muitas vezes uma certa "agressividade" latente nos teus posts, e se isso inicialmente me fazia um pouco de confusão, agora percebo que tu escreves assim, sem dourar a pílula. E o que realmente me atrai no teu blog (e por inerência, em ti) é essa sinceridade. Aqui sei que o que leio, é o que é. As melhoras da tua mãe. E bom ano para ti.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. E é assim que deve ser :)
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  4. Por favor, não mudes. Quase todo o mundo mudou e tudo tem photoshop, até as coisas mais simples da vida, continua real. Quero ler o teu real. Se não quiser ler o teu real, quer dizer que tenho de comprar. Beijo bom.

    ResponderEliminar

Obrigada!