-->

Páginas

23 novembro 2015

Do fim-de-semana

Nota prévia: este post pode contar laivos de escatologia. Depois não digam que não avisei.

Fomos passar o fim-de-semana à terra dele. Ideia: muita lareira, muita leitura, acabar uma gola que andava a fazer para mim, mimos, quentinho e manter-me em serviços mínimos (só para garantir que ninguém passava fome, vá).

Saímos daqui sexta depois do jantar. Chegámos, fizemos as camas dos miúdos (que estavam a dormir no carro) e fim de história.

Sábado de manhã, senhor marido foi andar de bicicleta com os primos e regressou quase à hora de almoço. Eu andei por ali, consegui dormir até às 10h, fui acordada pelos miúdos, alimentei-os, vesti-os e pus o almoço no forno com duas horas de antecedência. Tudo tranquilo.

Acontece que, para o meu filho, nada é mais importante do que brincar. Tudo o resto - necessidades fisiológicas incluídas pode ficar para depois. Só que, por vezes, o depois é tarde demais. Estava o pai a acabar de tomar banho quando ele deu finalmente sinal de que queria fazer cocó. E voou para a casa-de-banho. Tarde demais. Fez em todo o lado excepto na sanita. How cool is that? E lá vai a mãe em SOS, acudir ao espectáculo. Shit happens. All over the place! Limpei chão, lavei roupa à mão, deitei uns ténis fora, meti o puto na banheira e o pai tratou de lhe dar banho.

Ora acontece que, desta vez, e contrariando o que me é habitual, não levei carradas de roupa extra. Asneira, claro. E a minha tarde - para a qual tinha planeado horas de sofá em frente à lareira - transformou-se numa ida a Abrantes, ao Continente, para comprar um fato de treino e ténis para o miúdo. E, de caminho, já que lá estava, compras de supermercado. Duas horas e meia nisto. E quando regressei já o sol tinha ido com o caraças e estava noite cerrada. Cool.

Valeu-me já ter jantar feito - sopa da sogra - e sermos poucos, portanto ser fácil arrumar a cozinha a seguir. Às 23h consegui finalmente sentar-me no sofá, a ver um filme e a acabar a gola. Nem vi o filme nem acabei a gola. Apaguei. Mas deixei-me estar - estava um quentinho delicioso - e fiquei a dormir toda torta até às 3h.

Domingo: acordar nas calmas, tratar deles, sentar-me no sofá a ler e levantar-me só a tempo de fazer o almoço e de arranjar toda uma horta de nabiças que uma das tias nos deu. Almoçámos, arrumei as coisas e saímos às 16h30. Fiz a viagem a dormir. E à noite, sentada na cama, a ver episódios do Scandal e a acabar a bendita gola (já está!), não havia maneira de me chegar o sono. Sucumbi às 2h30. E foi bom, mesmo assim...

Sem comentários:

Enviar um comentário

Obrigada!