-->

Páginas

30 maio 2017

Irmã

Se, há quase 14 anos, me dissessem que um dia a minha melhor amiga ia viver a 50 metros de mim... eu tinha acelerado o processo para que a coisa acontecesse mais rapidamente.

Há seis anos (é isto?), a minha Lia comprou casa na minha rua. Aquilo bateu com a minha temporada de stay at home mom, o que fez com que tenhamos passado dois anos em convívio quase diário: bebíamos café de manhã, quando eu voltava de ir levar os miúdos e antes de ela ir trabalhar. Depois ela foi para Beja e essa travessia do deserto durou quatro (longuíssimos!!) anos. Há uns meses, a ideia de ela regressar foi ganhando força e em Abril ela veio de vez. De lá para cá... ui.

Na semana passada jantámos juntas três ou quatro vezes - já nem sei. Ontem, ao final da tarde, ela mandou mensagem a perguntar quando jantávamos. Disse-lhe para vir jantar connosco e ela veio. Acho que daqui em diante vai haver sempre um bife a mais cá em casa. E na dela é igual. E é bom isto de jantarmos por aqui, na rua ou em casa de uma ou de outra, e de não termos de andar de carro para isso. É bom isto de os meus filhos conviverem com a tia Lia que é uma das quatro pessoas que, não tendo laços de sangue com eles, eu deixo que eles tratem assim (portanto, Lia, Sofia, Mário e Joana, são vocês). É bom isto de eu ir a casa dela tratar dos gatos quando ela vai para fora. É bom isto de podermos passar em casa uma da outra só porque sim, para um olá, para um café ou para nada.

Vocês que percebem disto digam-me lá: ter irmãos é isto, não é?

1 comentário:

  1. É exatamente isso, e é tão bom! Eu tenho a minha irmã gémea a viver muito perto de mim, há 3 anos.
    É apenas na casa dela que chego sem avisar, que janto sem ser previamente convidada and so on... Tão bom! :)
    E melhor ainda... é que é recíproco :)

    ResponderEliminar

Obrigada!