-->

Páginas

12 fevereiro 2018

3.9

Trinta e nove. Último antes dos entas, blábláblá, inserir clichés aqui. Sem paciência.

Não gosto de celebrar o meu aniversário. Não acho que seja motivo de celebração. Sou só uma pessoa em sete mil milhões de pessoas e todos fazemos anos. Este ano, por estar a viver uma coisa nova e especial, decidi dar uma hipótese também a isto. Portanto, peguei nas minhas duas miúdas e fomos jantar e dançar. Foi bom. Foi a parte boa deste processo todo. Mas foi no sábado, véspera do meu aniversário. Daí em diante foi sempre a descer.

Dormi pouco. Dormi mal. Acordei e arrastei-me um bocado. Não me apetecia nada além de estar no sofá o dia todo, enrolada numa manta, a ver filmes. Mas tenho aquela estranha tradição de ir ao cinema sozinha no meu dia de anos e não quis mudar isso. Não tinha por que mudar e não mudei. Portanto agarrei em mim e fui ao Fórum Sintra. Comi uma sopa (mega exagero: comi umas dez colheres de uma sopa que até estava boa, mas eu estava sem fome e nada a fazer), escolhi ver um thriller que atende por "Todo o Dinheiro do Mundo" (irónico, eu sei) e pronto. Devo ter passado uma meia hora do filme a dormir (e hei-de rever o filme à conta disto, mas enfim). No intervalo, para ver se acordava, fui buscar umas pipocas. Enjoo. Saí dali e decidi que merecia um presente de aniversário. Não ia à procura de nada. Encontrei umas sandálias e um body e siga.

Pelo meio, meia dúzia de telefonemas, umas quantas mensagens e eu arrependida de não ter feito o que faço sempre, que é desligar tudo e hibernar.

Tudo o que podia correr mal no dia do meu aniversário... correu. Salvou-se o jantar com pais e filhos (e um entrecosto assado no forno que estava uma delícia, que a pessoa pode estar a bater mal em todas as frentes, mas continua a saber cozinhar) e um bolo de bolacha que a minha mãe insiste em fazer, apesar de eu não conseguir comer aquilo.

Hoje de manhã, chego ao Facebook e aquilo informa-me de que faço anos. Hoje. Portanto, há anos que tenho a minha data de aniversário oculta no Facebook. Este ano, não só tenho aquela porra visível, como o dia ainda por cima está errado. Lovely. Tentei mudar. Não dá. Diz que mudei aquilo há poucos dias e que não posso mexer tão cedo. Não mudei porcaria nenhuma. Não há-de faltar muito para eu apagar a merda da conta do Facebook, parece-me.

E é isto. Trinta e nova e cada vez menos paciência para coisas. Muita vontade de paz, de sossego, de amor e carinho, de coisas boas, de sorrisos no sítio certo. Tudo o resto é uma cruz por cima.

(Obrigada a quem se manifestou no meu dia.)

P.S.: Para o ano, quando forem 40, tenciono celebrar à minha maneira. Bem longe daqui.

3 comentários:

  1. Fogo! Fizeste-me ir ver como está apresentada a minha data de nascimento no FB. Felizmente tudo na mesma, ou seja, só eu posso ver.

    Por aqui tem sido um processo...
    Primeiro bloqueei a possibilidade de escreverem no meu perfil. Coisa que me irritava era ter 500mil pessoas que não me falavam o ano inteiro a fazerem isso.
    No ano seguinte, tive as tais 500mil pessoas a mandar mensagem no messenger. Sinceramente não sei o que foi pior.
    Passo seguinte, ocultar a data de nascimento do perfil.

    E pronto, a coisa resolveu-se...
    Se bem que o ano passado recebi um telefonema de uma pessoa a dizer que tinha visto no Linkedin que eu fazia anos. Aí penei muito para conseguir ocultar essa informação mas acho que tive sucesso. Quando chegar a altura logo verei.

    Não me mete confusão fazer anos nem me refugio numa bolha mas gosto de ir para longe e ficar sossegada. Receber meia dúzia de telefonemas das pessoas que fazem parte do meu espaço e pronto. :)

    E já agora, parabéns atrasados! Beijos

    ResponderEliminar
  2. Eu não te desejei parabéns de propósito e agora queria mandar-te um beijo e o Facebook antecipou-se. Não há direito. Bem, pelo menos já passou e sobreviveste, o que é bom. Acredita, o teu dia de anos foi negro para mim tb.
    Agora vá de animar que está aí uma nova semana e está sol. Beijinho grande

    ResponderEliminar

Obrigada!