-->

Páginas

15 outubro 2018

Resumo da Jornada

Sexta

Saí do trabalho a correr para ir assistir à entrega dos diplomas de mérito do meu mai novo. Foi o quinto ano consecutivo em que estive nesta cerimónia, porque os meus filhos são umas pestes, mas safam-se muito bem na escola. Não faço questão nenhuma de que sejam alunos de quadro de honra; faço questão de que façam o melhor que conseguem, o melhor que sabem e o melhor que são capazes de fazer. Não preciso que sejam os melhores da turma, mas preciso que se esforcem e que dêem o que conseguem dar. Se isso os põe no quadro de honra, seja. Mas não vivo para isso, não incentivo isso e muito menos incentivo competições: não quero que sejam melhores do que ninguém, mas quero que sejam o melhor que conseguirem ser. Entretanto, era fim-de-semana do pai e aqui a mãe aproveitou para ir dar um giro...

Jantámos no Marco, em Odivelas. Dizia ele que as francesinhas vegetarianas eram óptimas... e eu quis confirmar. São boas, sim senhor. Não são as melhores que já comi porque o molho não é igual. Para mim, podia ser. Não como carne, mas acho que não falecia por comer um molho que leva caldos de carne. Mas vá, serve, soube bem e nem sequer consegui comer tudo (e ele já topou o meu padrão de raramente comer doses completas). Toda a gente me tem dito que as francesinhas (normais) do Marco são mesmo as melhores de Lisboa e arredores e, a avaliar pela quantidade de gente que estava lá e pelo tempo que esperámos, quer-me parecer que sim, que é capaz de ser verdade.

Sábado

Mais um workshop de Urban Kiz, desta vez mais calminho do que o outro, com menos gente, mas tão, tão bom. Sabem-me bem estas tarde de absorção de informação a rodos. Sabe-me bem isto de estar a nadar no meu aquário, de me sentir em casa, de saber que estou a fazer a coisa certa. Sabe-me bem saber que, um dia, isto vai dar onde eu quero...

Entretanto, dona Leslie a anunciar a sua passagem e eu, que até tinha planeado sair, fiquei mas foi no sofá... a tentar ver um filme. Ainda não eram 22h e já eu estava a dormir. À meia-noite e pouco acordei, puxei o filme para trás e... desisti à 1h, porque não estava mesmo a dar (e o filme é bom, atenção!). Acabei por ir para a cama, para só voltar à vida às 10h... 

Domingo


Manhã passada a dar conta do rasto de destruição que os furacões André, Leonor e Caramelo deixaram na minha casa (o Alex, coitadinho, nem chega a ser uma brisa, é inofensivo): ela deixa roupa por todo o lado, ele espalha peças de lego por onde passa e o gato... bom, o gato destruiu-me uma das plantas sobreviventes. Depois de ter apanhado aquilo do chão umas três ou quatro vezes (e por "aquilo" entenda-se planta e terra), desisti. O jovem, com as suas acrobacias, partiu a planta e eu... que se f***... lixe: planta para o lixo. Ainda lá anda uma planta, que escondi atrás do cortinado, na esperança de que ele a deixe sossegada e eu não tenha de andar a apanhar mais terra do chão, mas acho que a vou levar para casa dos meus pais e pronto. Acabei de limpar e toca de me esticar no sofá a acabar de ver o filme que tinha deixado a meio na véspera. Adivinhem... pois... adormeci de novo. Mas lá consegui. E sim, o filme é bom.


Fim de tarde de cinema. Fomos ver o A Star Is Born e... que filmaço!! Gostámos tanto... Eu não estava super curiosa com o filme mas... Bradley Cooper genial, a provar que é um actor gigante (e a safar-se lindamente na realização também); Lady Gaga a começar como Stefani Germanotta e a acabar como Lady Gaga (mas não sei se não dá direito a nomeação, mesmo assim...); banda sonora do caraças - esta foram, provavelmente, as melhores músicas que já ouvi a Lady Gaga cantar; fotografia fabulosa... Ou seja, duas horas e tal de puro entretenimento, a valer muito a pena. 

Às tantas perguntei: quantas nomeações é que achas que caem aqui? Eu aposto em Melhor Filme, Melhor Realizador, Melhor Actor, Melhor Actor Secundário, Melhor Actriz, Melhor Canção Original, Melhor Banda Sonora, Melhor Fotografia (e eventualmente mais uma ou duas categorias técnicas, não sei). 

Com este, já foram 107 filmes este ano. No ano passado, vi 106. Ainda tenho dois meses e meio pela frente e... veremos qual é a contagem final! Mas este ano está ser surpreendente quer na quantidade de filmes, quer na de livros (33 já foram. Tinha estabelecido o objectivo nos 24, mas cheguei lá para aí em Maio, salvo erro. Depois alarguei para os 50, mas não chego lá - naturalmente. Devo ficar aí pelos 40, talvez...).

E para esta semana...

Escrever, escrever, escrever... Novembro está quase aí e quero voltar em força ao meu segundo romance. Não me baldar aos treinos também está no programa. E dançar. 

3 comentários:

  1. As francesinhas do Marcus são boazitas, mas as do Paullus também em Odivelas são ainda melhores, muito melhores. o Molho é bem mais caseiro que no Marcus, sei o que digo. e o Paullus também tem opções vegetarianas e tens uns Troc's que... meu deus! https://www.facebook.com/www.paullus.pt/

    ResponderEliminar
  2. Fiquei curiosa. Onde podemos encontrar o teu primeiro romance e fala de que? =)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá!! O primeiro está (ainda) na minha gaveta... pode ser que um dia destes a coisa aconteça e ele seja publicado (ando a fazer por isso). É uma ficção literária que fala sobre morte, redenção, raízes, maldade e família. Passa-se no Alentejo, em dois planos temporais (1982-85 e 2005) e... bom, quero muito que ele seja editado porque é exactamente a história que eu queria contar!

      Eliminar

Obrigada!