-->

Páginas

02 novembro 2018

Ninho

A minha casa é uma espécie de manta de retalhos: não há um fio condutor nem nada que seja uma espécie de linha-mestra que eu siga, em termos de decoração. Claro que gosto das coisas bonitinhas, mas a minha principal preocupação não é a forma mas sim a função. 

Factos: vivo num T2, tenho dois filhos pequenos, cada um do seu género. Eles têm de partilhar o quarto, que não é gigante, e a casa tem de estar habitável para eles e para mim.

Tenho tentado destralhar, mas há um limite muito claro, para mim: usabilidade. Não me faz sentido esvaziar a cozinha, precisar de um tupperware e não ter porque deitei tudo fora em nome do minimalismo, por exemplo. Também não me faz sentido desfazer-me dos meus livros porque não é chique ter uma estante atafulhada. 

O quarto dos miúdos está atascado de coisas e vai ser o próximo alvo. Tenho de dar uma volta ao roupeiro deles, tenho de tirar roupa que já não serve, tenho de deitar brinquedos fora. Não me custa.

A sala está pejada de livros e se há coisa que me lixa é dizerem-me para me ver livre deles. Não vai acontecer, não quero saber que as pessoas achem que vivo atolada em livros que não fazem falta nenhuma. Eu sou o oposto disso: não consigo compreender como é possível viver sem livros.

O meu quarto é o sítio menos cheio da casa. E sim, tenho mil livros na mesa de cabeceira e vou continuar a ter. É a minha forma de viver.

O hall era a minha no-man's-land lá de casa - aquilo é gigante, tem uns 9m2 e não serve para nada, basicamente. Para ajudar à festa, o chão é de mosaico, o que torna tudo mais frio e desinteressante. Quando para lá fui viver, há 15 anos (QUIINZE anos, já...), criei uma espécie de zona de leitura (que nunca usei como tal). Tinha um candeeiro, um puff e pronto. Depois vieram os miúdos e, porque o quarto deles é pequeno, optei por usar o hall como zona de brincar. Entretanto eles cresceram e deixaram de usar aquele espaço. Eu introduzi a regra de não haver sapatos calçados dentro de casa e rapidamente ganhei um ninho de calçado no meio do hall, à porta de casa. Estava farta. 

Andei a estudar hipóteses. Avé, Ikea. Encontrei um móvel que era o ideal para ali: um mini-armário para guardar os sapatos, que também serve de banco (um dos problemas que tínhamos era o de não termos onde nos sentar para atar os ténis). Móvel montado ontem e toca de dar uma volta ao espaço, Tinha lá duas estantes de quatro cubos, também do Ikea. Aquilo tinha livros dos miúdos, calçado num dos cubos e coisas do gato noutro. Mudei as estantes de sítio, pus o móvel novo mesmo à porta, tirei as coisas do gato dali, deitei carradas de livros de pintar (entre outras coisas) fora e aquilo ganhou um novo ar. O comedouro do gato sempre esteve no hall (porque a minha cozinha é pequena, tenho um espaço ocupado com os caixotes da reciclagem, caixote do lixo noutra parede, mesa de cozinha noutra, máquinas e afins e o único espacinho onde posso pôr aquilo é entre o caixote do lixo e o fogão - não está fora de questão, mas ainda não decidi sobre isso e, sinceramente, não me chateia nada ter o comedouro ali, onde está agora, porque não estorva. Dizia a minha Lia ontem que só faltava tirar os livros dos miúdos das estantes do hall (sendo que foi para os guardar que as comprei) e tirar o comedouro dali. Passei-me um bocadinho, vá. Não vou deitar os livros dos miúdos fora. Não tenho espaço para as estantes no quarto deles. E, sinceramente, não quero saber se as pessoas acham adequado ou não. A minha casa serve para eu viver, e eu vivo à minha maneira. E a minha maneira é esta: o meu hall já foi quarto de brincar, agora é zona morta e está tudo bem. Comprei um tapete, arrumei uma prateleira da cozinha onde tinha livros de receitas (que passaram para o hall) e o resultado final agrada-me muito. Consegui que ficasse um espaço acolhedor, coisa que aquilo já não era. Missão cumprida. Próximo desafio: o quarto deles.  

2 comentários:

  1. Pois eu acho que está muito bem, eu também adoro livros, as duas prateleiras vazias se estivessem com livros não tinha mal nenhum, até porque agora com o banco pode muito bem vir a ser um local de leitura dos pequenitos. Pode sempre colocar duas caixas ou cestos forrados nas duas prateleiras vazias para colocar jogos ou artigos electrónicos que não caibam noutro local e ficariam também giros, ou até a comida do gato, ninguém via e ficaria arrumada.

    ResponderEliminar
  2. E está muito bem ��
    Adorei o artigo e identifiquei me imenso. Tenho carradas de livros. Se essa estante fosse minha estava lotada �� E escusam de reclamar sobre isso, é o meu vício. A mesa de cabeceira tem meia dúzia deles e o braço do sofá tem outros tantos. So acalmei um pouco agora pois ainda tenho muitos para ler e muito pouco tempo gracas ao meu pequeno de 3 meses �� ( e o dinheiro tem outras prioridades ��)
    Beijinhos

    ResponderEliminar

Obrigada!