-->

Páginas

10 dezembro 2018

Lisboa no prato

Fui convidada a experimentar a nova carta do ET Portuguese e... bom, comida, Praça da Alegria, um fim de tarde frio e... claro que sim, vamos!

Desafios: um vegetariano, uma piscitariana. À partida, safava-me melhor do que ele, não é? Não. Foi igual. Pusemos o homem a comer peixe porque não há cá fundamentalistas e havia, vá, vontade de comer. Sem stresses, sem dramas.

Antes de falar da comida, o espaço: coração da Praça da Alegria (sorte: estacionámos mesmo à porta), sítio super acolhedor, preparado para refeições fora de horas (fecha às 2h) e preparado para sessões de trabalho (tomadas junto às mesas, uma luz bonita e... para mim, está maravilhoso). O espaço não é nada pretencioso (e ainda bem) e, apesar de termos partilhado a mesa com dois casais que não conhecíamos, não foi estranho. Deu para conversarmos os dois, deu para nos rirmos, deu para juntar mais um momento ao nosso leque de momentos leves e despreocupados (this is us, by the way).

A comida? A nova carta grita Portugal. Ou melhor: a carta assoma-se à janela, desvia os cortinados de renda, pousa os cotovelos no parapeito e assobia baixinho um fado dos antigos, o rio ao fundo e esta luz que só Lisboa tem. É a frescura da sardinha, o cheiro a fumeiro do chouriço, o bacalhau salgado no ponto certo, as texturas diferentes que casam tão bem e outras, que por serem mais inesperadas, parecem amantes sôfregos e inusitados.

Para entrada houve filete de sardinha em cama de pão com chouriço. Típico? Hell, yeah! 


Também houve salada de bacalhau com pimentos e laranja. Lembram-se dos amantes inesperados? Pois. Tão bom!

O prato de peixe era bacalhau com pão de ovar (brutalíssimo) e puré de pimentos. Para mim, foi a estrela da noite, sem dúvida.


Depois veio a carne e bom... carré de cordeiro com crosta de pistáchio e cogumelos e... eu não adoro cordeiro e não sou a melhor pessoa para apreciar este prato, mas um dos rapazes da nossa mesa estava doido com aquilo. Pela minha parte, o pesto de pistáchio e o puré de cogumelos com a batata assada estavam de babar. 


Para fechar, degustação de sobremesas. Neste ponto não chegámos a consenso: eu babei pelo pudim de laranja e gin, ele delirou com o salame. Os sorvetes estavam óptimos, o mil folhas também, mas os nossos corações penderam para os outros dois. 


Gostámos muito do sítio, do jantar e do ambiente todo. A repetir? Claro que sim!!

(Obrigada ao ET Portuguese pelo convite!!)

2 comentários:

  1. Não parece nada mal, mas para os preços dos pratos (fui ver) parece-me desajustado, seja pela quantidade, seja pelo tipo de comida...

    Mas parece-me tudo com bom aspeto.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não sei se estas são as quantidades normais, uma vez que estive num jantar de apresentação da carta e não num jantar dito normal. Mas percebo o teu ponto.

      Eliminar

Obrigada!