-->

Páginas

06 setembro 2019

Sugestões à sexta

Sexta-feira, dia de sugestões por aqui... e hoje vamos a livros! Trago três que me roubaram cinco estrelas no Goodreads. Quem me segue por aqui já sabe do que a casa gasta: não sugiro nada que não valha MESMO a pena. E estes três valem bem todos os minutos que lhes possamos dedicar. Vamos lá?


"Li" este livro ainda no ano passado, mas ficou na memória. Pus aquele "li" entre aspas porque, na verdade, ouvi o audiobook. Não sei se já vos disse: adoro audiobooks. Ouço-os quando preciso de ter as mãos ocupadas, mas não o cérebro - a limpar a casa e a cozinhar, por exemplo. Uso uma app que me permite ouvir os livros a 1.5x a velocidade de leitura, o que faz com que consiga "despachar" um livro em coisa de 6 a 8 horas. E é uma forma maravilhosa de rentabilizar o tempo em que não precisamos de pensar. 

Mas falemos do livro. A Celeste Ng, tal como a Liane Moriarty e a Gillian Flynn, é mestre na criação de personagens. Todas contam as suas histórias através das personagens que criam e não o inverso. Não sei se consigo explicar isto muito bem, mas sinto que há livros em que são as histórias que criam as personagens e há outros em que acontece o inverso. E são estes os meus preferidos. São livros em que a tensão não vem dos acontecimentos em si, mas das acções e reacções das personagens personagens. 

Neste livro, vamos até Shaker Heights, uma pequena cidade nos Estados Unidos. Estamos no final dos anos 90 e vamos acompanhar  a vida daquela comunidade através da vivência de duas famílias onde há vários adolescentes. O livro centra-se muito nos jovens e usa-os para contar a história que nos leva a conhecer o passado de Mia e da sua filha Pearl, recém-chegadas a Shaker Heights, e da família Richardson, que entra em confronto directo com Mia, graças a um acontecimento que abala a pequena comunidade.



Três irmãos perdem os pais num acidente de viação e são enviados para um colégio interno, onde crescem de maneiras completamente diferentes. Neste livro, acompanhamos o seu crescimento, os fossos que se criam entre eles e a maneira como a vida os vai reaproximando.

É uma história sobre pessoas e relações entre elas e o que nós temos aqui são corações e almas despidas à nossa frente, angústias e medos, certezas e desejos. E a história tem o ritmo certo, tem várias camadas que se interligam, tem tudo para ficar connosco durante imenso tempo.

Mais uma vez, somos levados pela mão durante a adolescência e acabamos a crescer com estas personagens.



Antes de mais, deixem-me dizer-vos que, se ainda não sabem que este livro existe, é porque têm andado a dormir! 

Eu não sou nada de romances Young Adult, mas este tinha de ler. Porque se passa aqui, entre o Estoril e Lisboa, no final dos anos 90. Porque conta a história de Isabel, adolescente que cresceu sem redes sociais, sem tecnologia, sem ecrãs ligados o dia inteiro. Tal como eu. Apesar de ser meia dúzia de anos mais velha do que esta Isabel e de nem todas as referências serem as minhas, consegui viajar até à minha própria adolescência e matar saudades de tudo o que vivi. 

As personagens têm vida, são reais, não são monocromáticas nem unidimensionais. A história em si é-nos dada com os solavancos próprios daquela idade em que nos estamos a descobrir a nós mesmos e ao que queremos da vida. Este livro está mesmo, mesmo, bem escrito e garanto-vos que vai valer a viagem!

A Helena foi ainda mais longe e criou uma playlist no Spotify, playlist essa que serve de banda sonora ao livro. E o que é que eu fiz? O óbvio: li o livro sempre com a playlist a tocar. Apesar de muitas daquelas músicas já me terem apanhado numa idade pós-adolescência, continuam a ser as músicas que eu também ouvia e cujas letras ainda hoje sei de cor. E se já estava completamente imersa no universo do livro, ainda mais fiquei. 


Se ainda não me seguem no Goodreads, podem tratar disso aqui. Não vivo sem isto e é o sítio onde tenho o tracking das minhas leituras mais actualizado.


Ah, e estou a pensar em lançar-vos um desafio daqui a pouco tempo: e se lêssemos um livro em conjunto e debatêssemos ideias a seguir? Alinhavam?


[Quando escolhi os livros de que vos queria falar não reparei no fio condutor comum: a adolescência. Calhou... Mas só agora, quando acabei de escrever sobre eles, é que reparei neste pequeno detalhe. Se calhar é para me ir preparando, porque com uma filha quase a bater nos 12 anos, já vai sendo altura de começar a habituar-me à ideia...]

5 comentários:

  1. Também alinho na leitura conjunta!

    Não conhecia essa aplicação de audiobooks, tenho instalado o Audible e já esgotei todas as hipóteses de borlas de mensalidades! Sou fã de audiobooks e pode parecer estranho mas adoro limpar a casa com 1 livro a "tocar"

    ResponderEliminar
  2. Tenho o primeiro e o último em lista de espera mal acabe o livro que estou a ler (que diga-se de passagem, também está a ser muito bom). Vou já saltar para um desses, claro! :)
    Quanto à leitura conjunta.... eu gostava mas ando a passar uma má fase de sonos da cria, com o cansaço anexado não sei se consigo cumprir...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Friendly advice: começa pelo da Helena. Se andas com essas noites, este é mais levezinho (não sendo shallow nem tonto, atenção).

      Eliminar
    2. Por acaso é mesmo o que está em calha... :D Ando ansiosa para ler o da Helena desde que saiu, estou curiosa com esse regresso ao passado... o da Celeste já está guardado há mais tempo, é um facto, mas espera mais um bocadinho... vai é passar mais à frente na lista de espera!

      Eliminar

Obrigada!